Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

prostituição

Numa aceção lata, prostituição poderia englobar todos os tipos de práticas sexuais instrumentais em que os seres humanos, em troca dalguma vantagem material, disponibilizam o seu corpo para deleite sexual de outrem. Não obstante a persistência dalguma fluidez em certos tipos de intercâmbio sexual, prostituição, rigorosamente e em sentido restrito, implica não apenas o interesse mas também um elemento mercantil ou transação de mercadoria: pela parte da oferta, venda ou aluguer habitual do próprio corpo em troca de remuneração material, designadamente monetária, e, pelo lado da procura, compra ou (ab)uso do corpo de outrem, a troco de dinheiro, exclusivamente para satisfação ou prazer sexual. Para que se possa falar de prostituição torna-se necessária a presença do carácter mercantil do produto em termos de valor de troca e não apenas de simples valor de uso.
O modo de vida da prostituta é assumido e/ou percebido como degradante aos olhares públicos e a sua pessoa, não raro, desclassificada e/ou estigmatizada e, em certos círculos perpassados dum forte normativismo religioso, identificada como "antro de vício e pecado".
Uma das características da sexualidade masculina, e que se manifesta no fenómeno da prostituição, consiste na fragmentação entre o impulso sexual e a emoção, à qual subjaz, como salienta Lorraine Nencel, um conceito essencialista, uma construção fixista de sexualidade. Esta fragmentação leva o homem a construir diferentes imagens da mulher e respetivos significados da feminilidade, conforme se trate mais da mulher-'puta', vista como objeto de prazer, ou mais da mulher-esposa-mãe, assumida como figura virtuosa e protetora. A esta dicotomia de imagens não é estranha a própria conceção dominante, não só na literatura e na arte, como no senso comum, no sentido de contrapor a maligna e devassa mulher da rua à recatada esposa e exímia dona de casa e mãe de família. Nesta ótica, a prostituição representaria uma 'nódoa social' na mesa das mulheres-mães e das 'rainhas'-virgens.
A prostituição não é um problema apenas relativo à condição e à dignidade das mulheres. Ela questiona, como refere Nencel, o posicionamento e as práticas da sexualidade masculina, as atitudes e as imagens, os papéis e as representações dos homens acerca da mulher e, sobretudo, os seus estereótipos e preconceitos sexistas. Numa palavra, a prostituição, onde existe, interpela a própria sociedade.
A eliminação ou, pelo menos, a minoração dos efeitos perversos sobre a mulher-prostituta tem sido uma das bandeiras mais acerrimamente levantadas pelos movimentos feministas, impulsionados amiúde, sobretudo no passado, por mulheres intelectuais. Hoje, o comércio sexual de mulheres e menores reproduz, assim, as assimetrias estruturais entre os países do centro e da (semi)periferia, com as possíveis sequelas de exploração e/ou opressão das mulheres e de menores dos países periféricos, enquanto uma das 'últimas matérias-primas dos países pobres' (Hirsch, Michèle, Plan d'action de lutte contre la traite des femmes et la prostituition forcée, 1996).
Perante a recorrência do fenómeno histórico da prostituição, ainda que sob diversas configurações, nos mais variados tempos e espaços, verificam-se cada vez mais estudos (Rubin, 1975; Walkowitz, 1980; Pais, 1983; Habib, 1994; Solé, 1994; Welzer-Lang, 1994; Cazals, 1995). Diversas são as abordagens e as terapêuticas sociopolíticas avançadas:
(i) uma visão utilitarista assente na economia liberal e no modelo de jogos, segundo a qual a prostituição é entendida como qualquer outro fenómeno mercantil que, satisfazendo certas necessidades sexuais, se rege pelas leis da oferta e da procura e pela equação do binómio custos-benefícios (Fireman e Gamson, 1979) e em que os diversos atores-jogadores (prostitutas, chulos e clientes) são impulsionados pelo cálculo racional e pela estratégica maximização do ganho ou da satisfação;
(ii) diversas aproximações de base psicológica, desde as anacrónicas visões assentes no pressuposto de tratar-se de personalidades 'a-sociais' ou 'degeneradas', 'criminosas' ou 'desviantes' (Lombroso 1893), passando pelo modelo psicanalítico que tende a encarar a prostituição (prostituta/o e cliente) como o resultado de traumas sexuais no período infantil (Freud, 1959), até àquela que explica as práticas da prostituição a partir dos grupos primários de socialização com os seus respetivos códigos normativos e (sub)culturais marginais;
(iii) uma outra de carácter psicossocial, que se reporta à teoria da privação relativa dos sujeitos-atores (Davies 1962), segundo a qual a prostituição seria explicável a partir do fosso existente entre o atual 'estado mental' ou grau de insatisfação e o potencial ou esperado nível de satisfação das necessidades das prostitutas;
(iv) outras de cariz sociológico, desde a estrutural-funcionalista (Parsons, 1988; Merton, 1970), para quem a prostituição representaria um comportamento desviante, disfuncional ou até patológico, resultante da não-integração desses indivíduos na sociedade, passando pela perspetiva interaccionista que concebe a prostituição como fenómeno resultante de uma série de experiências e interações na construção de identidades negativas e estigmatizadas (Goffman, 1963; Becker, 1968), até modelos organizacionais e de poder (Foucault, 1978);
(v) a visão marxista tradicional, segundo a qual a prostituição seria um fenómeno condicionado pela estrutura social e originariamente decorrente do casamento monogâmico e do patriarcado, que, por sua vez, se interliga com a propriedade privada e o Estado (Engels, 1964);
(vi) por fim, a abordagem feminista, segundo a qual a prostituição é uma consequência da dominação e, eventualmente, da exploração da mulher por parte do homem, com toda a série de representações e estereótipos socialmente construídos (Millet, 1974; Davidoff, 1979; Dubisch, 1986; Amâncio, 1994).
Provavelmente, a via mais adequada para abordar o fenómeno da prostituição consistirá em assumir uma perspetiva pluricausal e pluridimensional (Weber, 1978) que, sem esquecer ou menosprezar os diversos níveis de análise, saiba integrá-los e hierarquizá-los de modo situacional e criativo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – prostituição na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-01 08:03:11]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais