Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Próximo e Médio Oriente (III Milénio a. C.)

Nos séculos que precedem e sucedem o ano 2000 a. C., o Próximo e o Médio Oriente veem-se sacudidos por um vasto movimento geográfico, muito lento (se tivermos em conta as medidas cronológicas atuais), mas extraordinariamente rápidas e contundentes, se se comparar com as alterações e mudanças típicas do Neolítico e do Calcolítico. Segundo alguns autores, os responsáveis por estes movimentos são os povos indo-europeus.
Na primeira metade do segundo milénio, os movimentos migratórios assemelham-se a ondas. Todos os estados do Próximo Oriente acabam por sucumbir, enquanto se produzem alterações técnicas de grande importância e misturas entre povos. Demonstrou-se então até que ponto o Egito dispunha de meios mais adequados que a Mesopotâmia para superar a crise. Os faraós da 12.ª dinastia e, depois, da 18.ª dinastia assumiram o carácter militar necessário para primeiro repelir e depois reduzir os emigrantes. Deste modo, por volta de 1400 a. C. conseguiram estabelecer um sistema de política internacional e um equilíbrio de poderes.
Os primeiros indo-europeus que aparecem na História são, sem dúvida alguma, os que pouco antes de 2000 a. C. penetraram na Ásia Menor e, ao unirem-se ou submeterem as populações "asiáticas" preexistentes, formaram um reino ou confederação de principados chamada Hatti. É o mesmo que dizer que são os hititas.
As discussões à volta da origem dos indo-europeus não cessaram nem se prevê que tal aconteça a curto prazo. No entanto, convém assinalar que os investigadores se mostram geralmente de acordo em admitir que, longe de constituir um povo (uma etnia diferenciada) como noutro tempo se acreditou, a unidade dos indo-europeus baseava-se unicamente na posse de uma língua que tem raízes comuns.
O Império, a que chamamos Antigo, do Egito, e o fundado por Sargão, de Acad, sucumbem, em datas muito próximas, como consequência destas ondas migratórias. Há que frisar que em ambos os casos se trata de um efeito duplo: a ameaça a partir do exterior obrigou a esforços que debilitaram a coesão interna; o poder unitário vê-se substituído por poderes locais dispersos, que parecem estar em melhores condições para resistirem à invasão.
No Egito, ao Império Antigo sucede um período de século e meio de revoluções. Na origem destas há que ver o processo feudalizante que, durante a 16.ª dinastia, minou a autoridade do faraó.
Num momento posterior alguns dos imakhus do rei, atuando como verdadeiros reis em territórios restringidos e possuindo as forças mágicas que se consideram inerentes ao poder, converteram-se em autênticos soberanos locais. Este processo não tinha sido tão grave sem o fenómeno de confusão entre propriedade e autoridade, semelhante ao que caracteriza o feudalismo europeu medieval. Tinha-se começado por conceder aos templos um status de imunidade que lhe outorgava jurisdição sobre os habitantes das suas terras; seguidamente estendeu-se também às propriedades que recebiam os governadores. Ao transmitir-se por herança ambas as coisas, desagregou-se o poder monolítico que tinha assegurado, através do faraó, as colheitas, o armazenamento dos seus excedentes e a distribuição dos víveres. Em determinado momento, por volta do século XXII a. C., estalam motins e violências, dando origem a atos de subversão.
Os historiadores acostumaram-se, por uma questão de comodidade, a chamar "primeiro período intermédio" ao período que separa os Impérios Antigo e Médio. Abarca as dinastias 7.ª a 10.ª da lista de Maneton e em termos de cronologia absoluta prolonga-se de 2200 a 2040 a. C., aproximadamente.
Ajudado pelos príncipes de Coptos, Antef repetiu a façanha dos shemsu-hor, empreendendo uma longa guerra para a unificação do país, que iria durar cento e dez anos: primeiro contra os soberanos de Siul, que atuavam como adiantados do faraó, e mais tarde contra este último. A guerra foi dolorosa e destrutiva, mas transformou o país numa grande potência militar. O desaparecimento do poder central, juntamente com as lutas, provocou períodos de grandes fomes. Tudo terminou por volta de 2040 a. C. com a vitória de um descendente de Antef que se chamava faraó Mentuhotep I, considerado o fundador da 11ª dinastia.
De modo semelhante ocorreu a destruição do Império Acadiano. Sharkalisharri, que teve que lutar com dureza contra os invasores, já não era obedecido em Uruk, que recuperou a sua independência, nem em Elam, onde as inscrições revelam a existência de um novo soberano, Kutik-in-Shushinak. Este morreu assassinado em 2198 a. C. e durante três anos o país viveu na anarquia: hordas de invasores gudeos, que eram nómadas procedentes dos montes Zagros, penetravam no território, saqueando-o.
As invasões dos gudeos repetiram-se - os documentos não deixam dúvida em relação à sua presença permanente no país, o que não significa que tenham conseguido exercer um poder semelhante à dos antigos monarcas. É um predomínio da estepe, um avanço dos nómadas no Norte e um retrocesso paralelo dos sedentários para sul. Mas, à semelhança do que tinha sucedido no Egito, a perda de autoridade central significou um desastre económico e um retorno da cada cidade à sua antiga independência. A "época dos gudeos" é assim um tempo de desintegração.
Ao romper-se a unidade política, renasce a velha oposição entre Sumérios e Semitas; o eixo do semitismo tendia a deslocar-se para norte, onde se viria a constituir a monarquia assíria. Na Suméria, o arcaísmo permite um florescimento estético muito importante.
O rei Gudea é o melhor símbolo desta época arcaizante. Parece ter renunciado a qualquer empresa militar ou de conquista. As inscrições insistem na paz e nas obras que devem realizar-se para conservar os canais, transportar materiais e construir templos. Gudea vangloria-se de um modo especial por ter construído o templo E-ninnu, utilizando materiais muito ricos, os quais só podem ter sido obtidos de longas distâncias através do comércio.
Nem todos os reis locais pensavam como Gudea. Os dinastas de Uruk conservaram o velho espírito militar e retomaram a luta contra os invasores. Esta luta culminou, como no Egito, numa vitória alcançada por volta de 2110 a. C., quando Utuk-hegal conseguiu expulsar os gudeos da planície e os fez desaparecer. Não foi, sem dúvida, Uruk quem recolheu os frutos desta vitória, mas sim a velha cidade de Ur, onde Utuk-hegal tinha designado seu chefe um nobre local, Ur-nammu, em 2111 a. C. Ur-nammu funda uma dinastia, a 3.ª, e consegue impor o seu domínio sobre todo o país. Desconhecem-se os detalhes da sua conquista.
Os sucessores de Ur-nammu vivem, durante um século, aproximadamente, em condições muito dramáticas, de luta contínua. Shulgi (2094-2036 a. C.) foi capaz de se aguentar no trono combatendo com pulso forte em Elam e nas montanhas iranianas. A guerra culminou, ao que parece, com a destruição de Arbelas, em 2044 a. C., pelo exército mandado por um filho do rei.
Três causas contribuíram para a destruição de Suméria-Acad: as tendências separatistas que se pressentem nas cidades do Sul; a constante pressão dos nómadas, que não se encontravam somente na área exterior, mas também proliferavam em espaços intermédios; o desenvolvimento rápido de Elam, que se converteu numa grande potência.
A partir do reinado de Ibbi-sin, que começa cerca de 2007 a. C., consuma-se a catástrofe. Os nómadas amurru fizeram saltar as defesas que o seu irmão tinha construído. Entretanto Elam preparava-se para um ataque definitivo, arrastando com ele os amorreus e também outros nómadas do Zagros. Ibbi-sin foi feito prisioneiro, Ur sucumbiu aos invasores e o império desapareceu (2003 a. C.).
A guarnição elamita de Ur foi expulsa sete ou oito anos mais tarde por Ishbi-Erra, que limpou o país de nómadas e restabeleceu as rotas do comércio. As cidades rodearam-se rapidamente de muralhas com o objetivo de assegurar melhor a resistência, mas a unidade sumero-acádica nunca foi restabelecida. A Suméria perdeu definitivamente o seu carácter diretivo e passou a ser um apêndice das grandes potências.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Próximo e Médio Oriente (III Milénio a. C.) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-10 23:31:13]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros