Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Rádio Clube Português

O Rádio Cube Português (RCP) surgiu a 22 de novembro de 1931, na Parede, por iniciativa de Jorge Botelho Moniz com a colaboração de Alberto Lima Basto. O RCP teve origem na pequena emissora CT1DY, também impulsionada por Botelho Moniz, que apenas chegava a Lisboa. Na altura foi chamado de "estação oficial do Estado Livre da Parede e da Galiza". Esta emissora, que trouxe muitas inovações à rádio portuguesa, teve ainda a designação de CT1DY – Rádio Parede e CT1 GL – Rádio Clube da Costa do Sol.
Ao nível de programas, na altura surgiram no RCP as emissões infantis do "Sr. Doutor", a orquestra Aldrabófona, os "Serões de Arte" em colaboração com o jornal "O Século", a orquestra "Rádio" e relatos desportivos.
O RCP tinha sede na Parede. Em 1935 um incêndio destruiu a quase totalidade do edifício e tiveram que ser construídas novas instalações.
No ano seguinte, teve um papel importante no acompanhamento da Guerra Civil Espanhola e acabou por ver a sua sede novamente destruída, desta vez por causa de uma bomba.
Ainda em 1936, já depois de reconstruídas as instalações da rádio, foi concedida autorização para a exploração de publicidade. O primeiro programa patrocinado teve a participação do pianista Vianna da Mota.
Após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o RCP expandiu-se graças às receitas publicitárias e tornou-se numa emissora de referência no panorama português.
Em 1953, requereu autorização para instalar uma rede de estações de televisão, levando à criação da Radiotelevisão Portuguesa (RTP). O RCP era o maior acionista da RTP a seguir ao Estado.
Em 1954 foi pioneiro em Portugal das emissões por modulação de frequência e, no ano seguinte, foi ativado em Miramar, Vila Nova de Gaia, o primeiro emissor de ondas médias de potência superior a 50 KW.
Cinco anos depois, os estúdios foram transferidos da Parede para Lisboa.
Na madrugada do 25 de abril de 1974, o primeiro comunicado do Movimento das Forças Armadas transmitido ao País foi feito pelos microfones do RCP.
A designação RCP - Rádio Clube Português manteve-se até 1975, ano em que a emissora foi nacionalizada e convertida em RDP - Rádio Comercial. Após a privatização de 1993, o nome mudou para Rádio Comercial.
Ainda nos anos 90, a família Botelho Moniz tentou recuperar o RCP em Lisboa, contando com uma parceria com a Rádio Nova do Porto, mas o projeto não foi bem sucedido.
A 12 de março de 2003 o Rádio Clube Português regressou por iniciativa do grupo Media Capital, proprietário da Rádio Comercial. O novo RCP recorreu aos emissores regionais do centro e sul que pertenceram à Rádio Correio da Manhã, assim como a alguns emissores locais que o grupo detinha no Norte de Portugal.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rádio Clube Português na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 04:49:34]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros