Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Rato Mickey

Personagem de animação, a primeira aparição do Rato Mickey foi na curta-metragem Steamboat Willie (1929), produzida por Walt Disney. Este filme de animação foi o primeiro do género a utilizar som e elevou a personagem de Mickey a um dos mais populares do século XX.

Secundado pela namorada Minnie e pelo arqui-inimigo João Bafo de Onça, Mickey foi elaborado por Disney como um agente cómico ativo influenciado pelo slapstick colocado em voga por Charles Chaplin. O tom burlesco daquela curta-metragem foi bem recebido pelo público infantil, mas as associações de pais demonstraram o seu descontentamento pela irreverência de Mickey, inundando o escritório de Disney com veementes cartas de protesto, mostrando-se chocados com as cenas do filme onde Mickey surgiu a utilizar a cauda de um bode como caixa de música ou os dentes de uma vaca como xilofone.
Rato Mickey vestido de "Aprendiz de Feiticeiro" nos Walt Disney Studios

Tentando agradar a uma franja mais generalista do público americano, as futuras curtas-metragens revelaram um Mickey mais agradável e com um comportamento temperado.

Em 1938, Disney criou a personagem de Pluto, cão de Mickey, procurando com essa iniciativa criar uma imagem mais familiar do rato, dotando-o de características humanizadas. No início da década de 40, Mickey era a personagem de animação mais popular competindo nesse campo com o Pato Donald, Bugs Bunny e Porky Pig da Warner Bros. As tiras diárias protagonizadas por Mickey esgotavam jornais e as suas curtas-metragens enchiam cinemas, agradando a públicos de todas as idades.

A sua presença na longa-metragem Fantasia (1940), liderando o sketch "O Aprendiz de Feiticeiro", foi o ponto alto de uma obra que procurou fazer a simbiose entre a animação e a música clássica, mas que, por ser um produto claramente avançado para a época, não foi bem recebida pelo público. A popularidade granjeada por Mickey levou mesmo a que uma missão Aliada na Segunda Guerra Mundial fosse batizada com o seu nome.

Brevemente, surgiriam outras personagens coadjuvantes: os amigos Pateta, Horácio, Clarabela e Coronel Cintra, os sobrinhos Chiquinho e Francisquinho e os inimigos Mancha Negra e Ranulfo.

A partir de meados da década de 50, em plena Guerra Fria, as tiras de Mickey conferiram-lhe um estatuto de herói de policiais, apresentando-o como detetive e combatente do crime na cidade de Patópolis ou então como coadjuvante de Sir Lock Holmes (uma sátira à personagem criada por Arthur Conan Doyle).

Em Portugal, começou a ser publicada em 1980 uma revista com o seu nome, embora a maioria das histórias fossem da autoria de desenhadores norte-americanos e brasileiros.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rato Mickey na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-10 23:44:52]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais