Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Raul Leal

Advogado e escritor portugês, Raul de Oliveira Sousa Leal, autor de uma obra essencialmente filosófico-literária, nasceu a 1 de setembro de 1886, em Lisboa, e morreu a 18 de agosto de 1964, na mesma cidade. Tendo colaborado em publicações como Centauro, Portugal Futurista, Athena ou Sudoeste, o seu nome permanece desde a colaboração com Orpheu II, associado ao primeiro modernismo, no que esse movimento inclui também de reflexão esotérica. Defendeu, em ensaios como A Liberdade Transcendente (1913), o vertigismo transcendente, doutrina filosófica espiritualista fundada na convicção de que "não existem fenómenos nem existem nomenos, não existe o simplesmente relativo nem o absoluto, há apenas a transcendência do Relativo e do Absoluto que é o espírito, que é a Vertigem!" (A Liberdade Transcendente, Lisboa, Livraria Clássica, 1913, p. 18). Revendo as teorias filosóficas de Kant e de Leibnitz, na teorização, algo ambígua, do vertigismo, considera que "as cousas que nós colocamos num exterior não existem em si, não têm uma existência objetiva mas são simples impressões nossas; são fenómenos psicológicos" que formam o que denomina a "Vertigem Transcendente" (id. ibi., p. 44). As escassas produções literárias que publicou após este ensaio, nomeadamente a novela "Atelier", incluída em Orpheu II (1915), e o volume de poesia Anthéchrist et la Gloire du Saint-Esprit (1920), resultam da aplicação dessa "estética transcendentemente vertígica". Publicou ainda Sodoma Divinizada, um ensaio com que sai em defesa de Fernando Pessoa, vivamente atacado pela crítica aquando da publicação de "António Botto e o Ideal Estético em Portugal", na revista Contemporânea. Aí defende, sem receio de chocar a opinião pública, que o "culto erótico", como "o culto do excessivo divino que é a Vertigem pura [...], é a vertiginação do culto estético que, elevado assim a um atordoamento delirante, atinge o supremo paroxismo. A emoção luxuriosa é a emoção estética convulsivamente infinitizada". (Sodoma Divinizada, Contraponto, s/l, s/d, p. 3).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Raul Leal na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-28 20:39:57]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais