Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Realismo Mágico

A expressão "Realismo Mágico" foi cunhada em 1925 por um crítico de Arte alemão, Franz Roh, para designar inicialmente um grupo de pintores que exprimiam um certo onirismo de forma realista.
A expressão foi repescada em 1949 pelo escritor cubano Alejo Carpentier, para se referir a certas obras da literatura latino-americana e, mais tarde, em 1955, por Ángel Flores, para designar o trabalho de Jorge Luis Borges em comparação com o de Franz Kafka, segundo o crítico, seu equivalente europeu.
Desde então, o termo designa uma técnica literária em que a recriação de uma realidade geralmente sombria e negativa, é atenuada das fatalidades a que está sujeita, através da recorrência a episódios maravilhosos e fantásticos, por vezes surrealistas.
Capa de "The Master and Margarita" ("Margarita e o Mestre"), de Mikhail Bulgakov, numa edição da Vintage, 1996
Embora a expressão tenha sido associada à obra dos romancistas latino-americanos, como Gabriel García Márquez, Miguel Ángel Asturias, Carlos Fuentes, Julio Cortázar e os já referidos Alejo Carpentier e Jorge Luis Borges, outros autores têm utilizado esta técnica, como Angela Carter, John Fowles, Günter Grass, Salman Rushdie, Ben Okri, Göran Tunström, Ernst Jünger, Italo Calvino e Mikhail Bulgakov.
Um bom exemplo do emprego do Realismo Mágico pode ser encontrado na obra Margarita e o Mestre (1966-67) da autoria de Bulgakov, em que as vicissitudes da Moscovo estalinista se transfiguram num combate metafísico entre o Bem, que o Homem serve através da consciência, e o Mal, encarnado pela personagem de nome Woland, mas que no fundo pretende designar o próprio Estaline. As personagens movimentam-se na vida real descrita pela obra até ao momento em que têm que tomar decisões que dizem respeito ao espírito, altura em que o sobrenatural transmuta a perceção e anula as relações causa-efeito.
O Realismo Mágico ocorre também de um modo significativo na famosa obra Die Blechtrommel (1959, O Tambor) na qual o protagonista, uma criança de nome Oscar Matzerath, se recusa a crescer em sinal de protesto contra a degradação da personalidade coletiva ante os horrores da Segunda Guerra Mundial.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Realismo Mágico na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-12 09:32:36]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros