Livros e Autores

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Rebecca de Mornay

Atriz norte-americana, Rebecca George nasceu a 29 de agosto de 1961 em Los Angeles. Cresceu na Europa, tendo estudado em Inglaterra, mas em 1980 retornou aos Estados Unidos e estudou representação no conceituado Ator Studio de Lee Strasberg, em Los Angeles. Teve a sua estreia no cinema num pequeno papel no filme de Francis Ford Coppola One From the Heart (Do Fundo do Coração, 1982). No ano seguinte, trabalhou ao lado de Tom Cruise no filme de sucesso Risky Business (Negócio Arriscado), pelo qual foi aclamada pela crítica. Alguns anos depois, participou no thriller Runaway Train (Comboio em Fuga, 1985), com Jon Voight. Seguiu-se The Trip to Bountiful (Regresso a Bountiful, 1986), com Geraldine Page, e And God Created Woman (1987), realizado por Roger Vadim, o remake americano do filme francês homónimo, que acabou por se revelar um falhanço de bilheteira. Em 1988, experimentou o teatro com a peça Born Yesterday, no Pasadena Playhouse, e voltou depois a representar na peça Marat/Sade (1990), no papel de Charlotte Corday.
Dos seus trabalhos mais marcantes, incluem-se Backdraft (Mar de Chamas, 1991), de Ron Howard, onde atuou ao lado de Kurt Russell; The Hand that Rocks the Craddle (A Mão Que Embala o Berço, 1992), onde interpreta o impressionante papel de uma ama vingativa, papel esse que a transformou numa atriz de renome internacional; protagonizou depois Guilty as Sin (Culpa Formada, 1993), um thriller de Sidney Lumet, com Don Johnson; o filme de aventuras The Three Musketeers (Os Três Mosqueteiros, 1993), no papel de Lady de Winter, e o drama Getting Out (Prisão em Liberdade, 1994), a adaptação televisiva da peça de Marsha Norman.
Ainda em 1994, fez a sua estreia como realizadora no episódio "The Conversion" da série televisiva Outer Limits (Limites do Terror). No ano seguinte, protagonizou o thriller de Peter Hall Never Talk to Stangers (Nunca Fales com Estranhos), ao lado de Antonio Banderas. Em 2000, voltou ao teatro para encarnar o papel de Anna na peça Closer, apresentada no Forum Mark Taper.
Destaque ainda para os telefilmes A Girl Thing (2001) e Salem Witch Trials (2002), e ainda para o thriller cinematográfico Identity (Identidade Misteriosa, 2003).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rebecca de Mornay na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-07 20:22:07]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rebecca de Mornay na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-07 20:22:07]. Disponível em

Livros e Autores

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais