Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Regeneração

Conceito da maior importância na história do liberalismo português, a Regeneração define um período da vida portuguesa do século XIX iniciado em 1851 pela insurreição militar liderada pelo marechal duque de Saldanha contra o último ministério de Costa Cabral.
A viragem estrutural que na segunda metade do século XVI se verificou com o início do colapso do Império Português do Oriente criou, em alguns portugueses, o desejo de uma "regeneração" nacional que levasse o país a progredir como os restantes países da Europa. Esse projeto tomaria forma com a vitória do liberalismo em 1834, apesar das dificuldades que a estrutura arcaica da sociedade portuguesa inevitavelmente criava.
Considera-se que o momento alto desse liberalismo se situa no período que se estende entre 1851 e 1868 com o movimento autodenominado Regeneração, cujo mentor foi, inicialmente, Alexandre Herculano. De resto, foi na casa de Alexandre Herculano em Lisboa que a revolta tomou forma. Foi aí que se planeou não só o movimento, como também os passos a dar após a vitória.
Alexandre Herculano foi o principal mentor do movimento Regeneração
Assim, em 7 de abril de 1851, Saldanha sai de Lisboa em direção a Sintra para resgatar promessas de apoio que lhe haviam sido feitas, determinado a fazer eclodir o movimento. Consegue a adesão, ainda que tardiamente, do regimento de Caçadores 1, de Setúbal e de Caçadores 5, de Leiria. Porém, por esta altura, já as tropas do rei D. Fernando estavam no Cartaxo, impedindo a junção de Caçadores 1 e 5.
Parte para o norte, mas as receções de Coimbra e do Porto são dececionantes. Após tantos desenganos, acaba por se refugiar na Galiza.
De repente, o panorama altera-se radicalmente: no Porto, em 24 de abril o quartel de Santo Ovídio subleva-se, juntando-se-lhe a Municipal e o regimento de Infantaria 6.
Saldanha entra no Porto em triunfo em 27 de abril encontrando um exército e uma grande cidade que o apoiam. Logo no dia seguinte, envia missivas a todos os governadores civis declarando como objetivos do movimento a reforma da Carta Constitucional e a queda do ministério de Costa Cabral, que acaba por ser demitido em 29 de abril de 1851, retirando-se para Espanha.
D. Maria II nomeia o duque da Terceira para presidir ao novo ministério. Mas, por força das circunstâncias, a presidência teria de ser entregue ao chefe da insurreição vitoriosa. Em 15 de maio Saldanha entra em Lisboa e, a 17 ocupa o cargo de presidente do ministério.
O governo chefiado pelo duque de Saldanha teve como figura principal Fontes Pereira de Melo, responsável pela pasta da Fazenda (21 de agosto de 1851) e primeiro titular da pasta das Obras Públicas (30 de julho de 1852). Outras personalidades deste ministério foram Rodrigo da Fonseca (Reino) e Almeida Garrett (Estrangeiros).
O reino estava cansado de tanta agitação política. Sobretudo a burguesia precisava de tranquilidade que lhe permitisse a expansão económica.
Também na vertente política o país iria tranquilizar, pois a elaboração do Ato Adicional de 1852 poria termo à divisão entre cartistas e setembristas, tornando a Carta aceitável praticamente por todos.
Fontes Pereira de Melo encarnou a transformação material que o País viria a sofrer durante os dezassete anos seguintes e que se refletiu na abertura de estradas, na instalação do caminho de ferro e do telégrafo, na modernização da agricultura, do comércio e da indústria, na redação de um novo Código Civil, na abolição da pena de morte para crimes civis, na extinção da escravatura, etc.
Assim se verificou um desenvolvimento económico, social e mental que recuperou atrasos acumulados em dezenas de anos de lutas internas, apesar de todo o processo não ter sido possível sem o recurso a capitais estrangeiros e sem a adoção de medidas fiscais que, pela sua impopularidade, estiveram na base do fim deste período, determinado pela revolta da Janeirinha (1868), que levou os reformistas ao poder. Todavia, a aspiração regeneradora pareceu continuar, impulsionando novos movimentos políticos, tais como a Vida Nova (1885), o Republicanismo e mesmo o Estado Novo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Regeneração na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 16:29:37]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais