Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Reiquiavique

Aspetos Geográficos
Capital e maior cidade da Islândia, Reiquiavique (ou Reiquejavique) localiza-se no Sudoeste do país, na Baía de Faxaflói. É a capital localizada mais a norte no mundo, não existindo noites durante o verão e possuindo dias com apenas quatro horas durante o inverno. Situa-se numa área rica em géisers e o seu clima não é tão frio quanto a sua latitude indica, devido à amenização provocada pela corrente quente do golfo. Possui cerca de 117 000 habitantes (2007).
História e Monumentos
Correios no centro de Reiquiavique
Aeroporto de Keflavik em Reiquiavique, Islândia
Lago Tjörnin em Reiquiavique, Islândia
Casa no centro de Reiquiavique
Catedral Hallgrim na cidade de Reiquiavique na Islândia
Biblioteca Nacional e Universitária de Reiquiavique, Islândia
Casas na margem do Lago Tjörnin
A cidade situa-se no mesmo lugar onde se instalaram os primeiros colonos do país, conduzidos por Ingólfur Arnarson, no ano 870. Até ao século XVIII, porém, não chegou a existir desenvolvimento urbano, já que a cidade apenas foi fundada em 1786, pela associação de 302 habitantes, como local de trocas de mercadorias, sendo controlada pela coroa dinamarquesa. A partir daqui deu-se uma grande expansão urbana. No século XIX, difundiram-se ideias independentistas que se concentraram na cidade, já que era a única do país. Um grande passo em direção à independência deu-se em 1918, quando o país se tornou soberano ainda que pertencente à Dinamarca. Em 1940, na sequência da ocupação da Dinamarca pelos alemães, quatro navios de guerra britânicos ancoraram no porto de Reiquiavique, consumando uma ocupação aliada pacífica. Essa ocupação teve efeitos benéficos na cidade, dinamizando a construção de diversas infraestruturas. Em 1944, o país tornou-se independente com Reiquiavique a manter-se como capital. No período do pós-guerra, o crescimento da cidade acelerou, com a ajuda de um assinalável êxodo rural. Rapidamente, a cidade foi-se modernizando e ganhando um importante estatuto internacional.
Aspetos Turísticos e Curiosidades
Reiquiavique é o centro comercial, político, industrial e cultural da Islândia, onde estão situadas as instituições políticas, as bibliotecas, os museus, as universidades, os teatros, etc. É uma cidade dispersa, em que a maior parte da malha urbana se apresenta na forma de periferias com habitações geralmente individuais. Os bairros residenciais também são espaçados, separados pelas principais avenidas. O Parlamento (construído em 1881) e a Casa dos Governos (dedicada aos mediadores do século XVIII) localizam-se no seu centro histórico. A Universidade e os bairros de estudantes, assim como o Museu Nacional e a Casa Nórdica (criada pelo arquiteto finlandês Alvar Aalto) situam-se num outro bairro. A cidade possui também várias igrejas cristãs, entre as quais a Catedral do Parlamento e a grande Hallgrímskirkja. O Museu Folclórico de Arbaer, na periferia leste da cidade, exibe a velha câmara da cidade, reconstituída no estilo original, assim como uma igreja tradicional rural e uma exploração agrícola. Um dos rios mais ricos em salmões passa pelo setor leste da cidade.
Economia
O setor financeiro e das tecnologias da informação são dos principais setores económicos da cidade, albergando diversas grandes empresas, especialmente em Borgartún, o centro financeiro de Reiquiavique. Possui muito boas infraestruturas e um nível de vida bastante alto, fruto da sua modernidade e elevado índice de desenvolvimento. O turismo e os eventos de carácter internacional têm também uma importância crescente.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Reiquiavique na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 16:51:39]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais