Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Revolução de setembro

Ficou conhecido como Revolução de setembro o movimento de insurreição que se deu em Lisboa a 9 de setembro de 1836, no Terreiro do Paço, depois de desembarcarem os deputados portuenses, liderados por Passos Manuel.
A insurreição constituiu uma manifestação de descontentamento face à desastrosa situação económica e financeira do país, por parte de oposicionistas radicais aos quais se juntaram as forças militares.
Tendo o regime liberal sido instaurado com a Revolução de 1820 e a Constituição de 1822, e terminada a fase mais aguda (1832-1834) da guerra civil, a Carta Constitucional, experimentada já em 1826-1827, entrou novamente em funcionamento, com eleições de deputados e a organização de governos que deveriam proceder à instauração da ordem liberal.
José da Silva Passos, mais conhecido por Passos José, foi um político de destaque na Revolução de setembro
Passos Manuel, político liberal do século XIX
D. Maria II, a rainha que jurou a Constituição de 1838, na sequência da Revolução de setembro
Logo aí se fez sentir a oposição aos atos dos governos da confiança de D. Pedro IV, bem como à sua Carta, havendo quem defendesse a tradição vintista.
Ora, os deputados eleitos em 1834 distribuíram-se, essencialmente, pela direita (maioritária), que apoiava D. Pedro e os seus governos, e por uma minoria de esquerda que procurava uma doutrina capaz de dinamizar o democratismo.
Essa minoria oposicionista era constituída fundamentalmente por deputados do Porto, tendo como figuras principais Passos Manuel e o seu irmão José da Silva Passos, que desempenhariam um papel determinante na Revolução de 1836.
A primeira experiência parlamentar depois da vitória liberal na guerra civil mostrou ser difícil o entendimento entre os poderes executivo e legislativo. Daí que houvesse agitação na Câmara dos Deputados e na imprensa, na defesa de um liberalismo extremo. No resto do País, no entanto, a grande massa popular mantinha-se alheia a tais discussões ideológicas.
Assim, sendo claro o conflito entre o Governo e a Câmara dos Deputados, optou-se pela dissolução desta e pela preparação de eleições para novos deputados. As eleições de 1836 deram larga vitória ao Governo instalado, que resolveu prosseguir com a política iniciada em 1834, na linha da legalidade cartista com a qual os liberais radicais do Porto não concordavam.
Estes prepararam um golpe de Estado, marcado para o momento da chegada ao Tejo dos deputados portuenses, entre os quais Passos Manuel, Soares Caldeira, Leonel Tavares, Cassiano Tavares Cabral e Morais Mantas, que acabaram por ser recebidos de forma apoteótica, sendo apoiados pelo exército.
O golpe deu-se, assim, de forma pacífica. A revolução restabeleceu a Constituição de 1822 e levou à formação de um Partido Radical.
Em 1838, os setembristas criaram uma Carta Constitucional, baseada na de 1822, e que se manteve até 1842.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Revolução de setembro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 11:38:20]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais