Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Ricardo Ribeiro

Fadista, Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro nasceu a 19 de agosto de 1981, em Lisboa. É um dos mais tradicionalistas cantores da chamada nova geração de fadistas. É um daqueles casos em que o fado se confunde com a vida.
Oriundo de família sem posses, foi criado no Bairro da Ajuda. A sua tia tinha uma grande coleção de discos de fado. Apaixonou-se pelas músicas que ouvia e cedo começou a cantar. Aos nove anos, estreou-se a cantar em público. E foi passando por coletividades, sobretudo pela Academia da Ajuda. Na primeira vez que se inscreveu na Grande Noite do Fado não passou das eliminatórias. Até que a tia o levou à casa de fados «Os Ferreiras» e ouviu cantar Fernando Maurício. Ficou deslumbrado. Este tornou-se o seu grande mestre.
Aos 14 anos, concorreu novamente à grande noite de fados, e ficou em segundo lugar. Aos 15, com "Minha Mãe Nasci Fadista" (um fado do reportório de Fernando Maurício) ganhou o certame. E aos 18, repetiu a proeza, desta vez na categoria de seniores.
Tornou-se fadista profissional, atuando em várias casas da capital, começando pela «Os Ferreiras» (ainda tinha 17 anos) e passando por outras como o Nono, o Café Luso e o Faia, até que se fixou, como residente, no Marquês da Sé - casa da fadista Alexandra. Pelo caminho, ainda antes da maioridade, chegou a ir atuar a Angola.
Além de Fernando Maurício, n'«Os Ferreiras» conviveu com a grande fadista Beatriz da Conceição e conheceu o músico e produtor Jorge Fernando, que acreditou na sua voz e o convidou para participar numa coletânea da Companhia Nacional de Música. Essa participação abriu-lhe as portas para o primeiro disco a solo, com o título Ricardo Ribeiro (2004, Companhia Nacional de Música).
É um álbum em que fica patente a sua predileção pelo fado tradicional. Como exceções, apenas quatro temas: dois de Jorge Fernando, um de Paco González e outro de Manuel Mendes. Opta por poetas de cariz mais popular e conta com letras especialmente escritas para si por José Luís Gordo e Rui Manuel. É acompanhado por José Manuel Neto (guitarra portuguesa), Jorge Fernando (viola) e Marino de Freitas (viola-baixo).
Ricardo Ribeiro, que tem como segunda grande paixão o flamenco, já atuou em países como Espanha, Itália e Estados Unidos. Em 2005, integrou o elenco do espetáculo Cabelo Branco é Saudade, de Ricardo Pais, juntamente com Argentina Santos, Celeste Rodrigues e Alcindo de Carvalho. No mesmo ano, foi distinguido com dois prémios de revelação: o Prémio Amália Rodrigues e o da Casa da Imprensa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Ricardo Ribeiro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-16 14:21:10]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais