Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Rima (na época medieval)

A rima é uma repetição fónica no final do verso, tendo por referência a última sílaba tónica, com consequente reforço do efeito musical e possibilidades mnemónicas do verso. Na lírica galego-portuguesa, encontram-se os esquemas rimáticos frequentes de "coblas unissonans", que obrigam a manter a mesma rima em todas as estrofes; de "coblas singulars", em que as rimas mudam de estrofe para estrofe; de "coblas doblas", que mantêm a mesma rima duas a duas; e de "coblas alternadas", que impõem uma rima para as estrofes pares e outra para as estrofes ímpares. Coincidindo com o emprego do dobre ou do mordobre, a rima corresponde, por vezes, à repetição das mesmas palavras ou de palavras derivadas. O trovador também usava o artifício de inserir no corpo da estrofe um verso que não rimava com nenhum dos outros, o verso branco, designado "palavra perduda", cuja utilização era considerada uma prova de virtuosismo poético.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rima (na época medieval) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-07 08:14:58]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais