Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Rio do Ouro

Concavidade situada na costa ocidental do Sara, a sua descoberta em 1436 deveu-se a Afonso Gonçalves Baldaia, que ocupava o cargo de copeiro do infante D. Henrique.
Em 1441 foram neste rio capturados um nobre local com outros companheiros no decurso de uma caça às focas ou lobos-marinhos. A captura foi efetuada pelo guarda-roupa do infante D. Henrique, Antão Gonçalves, que então foi armado cavaleiro como recompensa. Tal episódio deu um dos primeiros nomes à foz do Rio do Ouro, Porto do Cavaleiro (tendo também sido conhecido como Angra dos Cavalos). O nobre foi mais tarde resgatado pelo pai em troca de doze escravos negros, tendo Antão Gonçalves, encarregue da troca no Rio do Ouro, instruções para inquirir sobre o Preste João.
O nome do rio deve-se ao facto de ter sido o primeiro sítio de câmbio de ouro por escravos, tendo a partir da sua descoberta sido profusamente explorado pelas peles de lobos-marinhos e pelo óleo dos mesmos.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rio do Ouro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 07:24:55]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais