Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Romain Gary

Escritor francês, de origem russa, que tanto escrevia em francês como em inglês, nascido a 8 de maio de 1914, em Vilnius, na Lituânia, ou em Moscovo, com o nome de batismo Roman Kacew, e falecido a 2 de dezembro de 1980, em Paris. Kacew, cuja verdadeira naturalidade nunca foi confirmada, residiu em França desde os catorze anos e assumiu a nacionalidade francesa.
Romain Gary foi o pseudónimo escolhido na maior parte da sua obra literária, mas também recorreu ao nome Émile Ajar para assinar quatro romances, algo que só foi descoberto após a sua morte. Quem assumia a identidade de Ajar era um primo de Roman.
O escritor conquistou duas edições do Prémio Goncourt, um dos mais importantes do panorama literário francês, a de 1956 com o romance Les Racines du Ciel, assinado por Romain Gary, e a de 1975 com La Vie Devant Soi, enquanto Émile Ajar.
Também recorreu aos pseudónimos Shatan Bogat e Fosco Sinibaldi, embora não tenham adquirido a importância dos já mencionados.
Em 1935, o escritor publicou dois contos, L'Orage e Une Petite Femme, onde era visível a influência de André Malraux. Dois anos mais tarde, lançou o romance de estreia, Le Vin des Morts. Em 1945, enquanto vivia em Inglaterra, lançou o seu primeiro romance com a assinatura de Romain Gary, L'Education Européenne, que tem por protagonista um rapaz de 14 anos que pertence à resistência polaca contra os invasores nazis. Publicou ainda obras como La Danse de Gengis Cohn, Les Racines du Ciel, Lady L e Chien Blanc.
Em 1974, recorreu pela primeira vez ao pseudónimo Émile Ajar, com o qual assinou então Gros-Câlin. Ainda no mesmo ano, lançou Les Têtes de Stephanie com a assinatura Shatan Bogat, depois de, em 1958, ter escrito L'Homme à la Colombe sob o pseudónimo Fosco Sinibaldi.
Algumas das obras de Romain Gary foram adaptadas ao cinema. La Vie Devant Moi, realizado em 1977, pelo egípcio Moshe Mizrahi, ganhou o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Em 1979, o grego Costa Gavras realizou Clair de Femme, que contou com interpretações de Yves Montand e Romy Schneider. O próprio Romain Gary experimentou a realização cinematográfica, mas os seus dois filmes, Les Oiseaux Vont Mourir au Pérou, de 1968, e Kill!, de 1971, não tiveram sucesso. Durante a Segunda Guerra Mundial, Gary serviu na força aérea da França livre e no Norte de África, combatendo os alemães. Depois, fez carreira como diplomata, tendo passado alguns anos em Los Angeles, nos Estados Unidos da América. Gary foi casado com a atriz norte-americana Jean Seberg, que se suicidou em setembro de 1979, um ano antes de ele fazer o mesmo. Romain Gary suicidou-se com um tiro na cabeça.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Romain Gary na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 19:04:59]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais