Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Romeiro

Personagem da peça Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett, o Romeiro apresenta-se como um peregrino, mas é o próprio D. João de Portugal. Os vinte anos de cativeiro transformaram-no e já nem a mulher o reconhece. D. João, de espetro invisível na imaginação das personagens, vai lentamente adquirindo contornos até se tornar na figura do Romeiro que se identifica como "Ninguém". O seu fantasma paira sobre a felicidade daquele lar como uma ameaça trágica. E o sonho torna-se realidade.
Na cena final do Ato Segundo, o vocábulo "Ninguém" funciona como a máxima concentração da ação: a fala do Romeiro transmite a sensação de vazio que lhe vai na alma: julgado morto, já não tem lugar naquela família; a sua própria mulher não o reconheceu e, no palácio que era seu, reconstruiu a sua felicidade... O Romeiro sente, por isso, que perdeu a sua própria identidade (Cena V, Ato III) no momento em que D. Madalena acreditou na sua morte...
A carga simbólica da identificação do retrato de D. João de Portugal está relacionada com a destruição do retrato de Manuel de Sousa Coutinho. A casa e o retrato de Manuel sucumbem ao fogo, enquanto que a figura de D. João se toma mais presente, no novo cenário do Ato Segundo, por intermédio do retrato, que evoca um passado ameaçador. Assistimos, nesse momento, à concentração de todas as emoções, de todos os sentimentos, de todos os sofrimentos e angústias como resultado do acumular de presságios que já faziam adivinhar este desenlace trágico.
Observa-se, ao longo da peça, a existência de uma atmosfera de superstição, nomeadamente desenvolvida em redor de D. Madalena, que neste momento sente que o destino é impiedoso e que se abate sobre a sua família, como castigo do seu pecado de ter amado Manuel de Sousa Coutinho ainda em vida de D. João de Portugal.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Romeiro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-03 12:20:27]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais