Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Rota da Seda

A via comercial terrestre que ligava a China ao Mar Mediterrâneo, conhecida como Rota da Seda, foi muito utilizada desde os primeiros séculos da nossa era até ao início da Idade Moderna.
Tendo começado a exportar seda para a Índia por terra por volta de 600 a. C. e para o Próximo Oriente em 114 a. C., a China procurou sempre manter o monopólio do comércio, tentando nunca perder o controlo da bacia do Tarim. O comércio efetuado com o Império Romano floresceu a partir de 50 a. C., sendo mantido também por via marítima.
As caravanas que percorriam a rota da seda partiam de Antioquia e Tiro, chegando, através da Mesopotâmia, ao Irão, Jurasão, Turquemenistão e Bactros, a partir de onde se dirigiam para Samarcanda e para a cidade chinesa de Kashgar. Neste ponto, a rota dividia-se em duas vias principais: uma, através de Caracórum, levava a Karashar e Turfan (via do norte); a outra acompanhava a bacia do Rio Tarim (via do sul). As duas vias encontravam-se depois e seguiam para Kancheu, Pequim e Nanquim.
Tecidos de seda
Bordado a fio de seda
O apogeu do comércio da seda transportada através destas rotas foi atingido na dinastia Wu-ti (140-186 d. C.), acabando por entrar em declínio devido às convulsões que tiveram lugar na Ásia Central nos séculos seguintes. Essas rotas comerciais permitiram, além disso, a expansão das doutrinas budistas (século II) e mais tarde do nestorianismo (século VII). Tendo a China deixado de as controlar, o comércio deste país com a Europa decaiu notavelmente, sendo recuperado por Bizâncio em meados do século VI, com a intensificação das relações comerciais através da Arábia e da Índia. Os produtos que vinham do Ocidente (âmbar, coral, tecidos de lã, etc.) eram trocados essencialmente por especiarias, pedras preciosas, ébano, pérolas e seda. Entretanto, deu-se o estabelecimento de fortalezas e mosteiros ao longo do percurso das caravanas.
A Rota da Seda acabou por perder a sua importância devido à descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama em 1498. Depois, também a indústria da seda começou a ser fomentada na Europa, como se exemplifica com o caso português: no reinado de D. José I, o marquês de Pombal incentivou a cultura do bicho-da-seda, bem como a implantação de uma manufatura de seda em Lisboa, com o objetivo de tornar o país independente das importações desse produto. Embora ultrapassada pelo rumo da História, a Rota da Seda é recordada como um dos grandes percursos comerciais de sempre e o palco de importantes contactos entre civilizações.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rota da Seda na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-25 10:11:40]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Rota da Seda na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-25 10:11:40]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros