Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Sam Shepard

Dramaturgo, ator e realizador norte-americano, Samuel Shepard Rogers nasceu em Fort Sheridan a 5 de novembro de 1943. Filho de um oficial de aviação, cedo começou a trabalhar, tendo sido lavrador, criado e músico antes de se mudar para Nova Iorque. Aí começou a escrever peças teatrais e em 1964, estreou no Teatro Génesis a peça Cowboys (1964) onde pontificava o humor corrosivo e a sátira grotesca com personagens presos num passado mítico. Brevemente, Shepard tornou-se num dos autores preferidos da cultura pop dos anos 60: La Turista (1967) foi a sua primeira obra a ser representada na Broadway. Cedo vieram os convites para escrever guiões cinematográficos: Me and My Brother (1969) surgiu primeiro, mas Zabriskie Point (Deserto de Almas, 1970) realizado por Michelangelo Antonioni foi o que lhe trouxe maior reconhecimento por parte da crítica especializada. Em 1971, mudou-se para Londres onde escreveu a ópera-rock The Tooth of Crime (1972), que esteve três anos em cena nos palcos londrinos: a peça é uma surrealista história de dois músicos rock de diferentes gerações que lutam pelo domínio de um império, defrontando-se num duelo final de canções. Foi o seu amigo Bob Dylan quem o convenceu a tentar a carreira de ator: estrear-se-ia em Renaldo and Clara (1978), um estranho filme dirigido por Dylan e que foi um estrondoso insucesso comercial. Nesse mesmo ano, entrou em Days of Heaven (Dias do Paraíso, 1978) de Terrence Mallick, desempenhando convincentemente o papel de um agricultor traído conjugalmente. Em 1979, foi agraciado com o Prémio Pulitzer pela sua peça em três atos Buried Child. Na década de 80, Shepard continuou a conciliar a sua dupla faceta de dramaturgo e ator: durante as rodagens de Frances (1982) conheceu a atriz Jessica Lange, com quem iniciou uma longa relação afetiva. Foi um dos protagonistas de The Right Stuff (Os Eleitos, 1983) onde encarnou a figura de Chuck Yeager, o primeiro homem a ultrapassar a barreira do som. Com este papel, Shepard foi nomeado para um Óscar mas, estranhamente, a Academia remeteu-o para a categoria de Melhor Ator Secundário onde perdeu em detrimento de Jack Nicholson. Em 1984, viu o seu argumento de Paris, Texas (1984) ser obsequiado com a Palma de Ouro do Festival de Cannes. Como ator, continuou a ser requisitado, participando em Country (Country, a Minha Terra, 1984), Crimes of the Heart (Crimes do Coração, 1986) e Steel Magnolias (Flores de Aço, 1989). Em 1988, tentou enveredar pela realização, mas o seu primeiro esforço foi mal recebido pela crítica: Far North (1988), protagonizado por Jessica Lange primou pela inconsistência narrativa. O mesmo aconteceu com Silent Tongue (1994), apesar de contar no elenco com nomes credenciados como Richard Harris, River Phoenix e Alan Bates. Desde então, concentrou-se na sua carreira de ator, surgindo em filmes de sucesso como The Pelican Brief (O Dossier Pelicano, 1993), Swordfish (Operação Swordfish, 2001) e Black Hawk Down (Cercados, 2001).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Sam Shepard na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 16:30:27]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais