Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Sandra

Quando o protagonista-narrador-sujeito lírico de Para Sempre, Paulo, regressa à casa na aldeia onde projetara viver os anos da aposentação, recorda, por fragmentos, a recém-falecida esposa, Sandra, de "cabelos pretos pelos ombros, olhos rígidos negros". Na reconstrução dessa história de amor, evocada em momentos como o namoro, o casamento, o nascimento da sua filha, a doença e morte da esposa, o sentimento de perda de um tempo de plenitude, situado nos anos de amor e juventude, dão ao narrador a consciência irremediável da sua solidão, e levam-no a confrontar-se, pela primeira vez, com o absurdo da sua condição de ser humano, acidental, efémero. Sandra, ou melhor, o fantasma de Sandra, é assumida, então, como um dos interlocutores privilegiados pelo seu discurso, compaginando com outros destinatários, nomeadamente com o tu, que tanto é um eu desdobrado, num auto-interpelamento constantemente atravessado por resíduos de diálogos, seres ausentes ou mortos, cenas, rostos, memórias, como o próprio leitor ("Que te dá pensares-te o ramo que se suprimiu? A árvore existe e continua para fora da tua acidentalidade suprimida. O que te distingue e oprime é o pensamento que a pedra não tem para se executar como pedra. [...] Funda aí a tua grandeza se quiseres, mas que reconheças e aceites a grandeza que te excede. Há uma palavra que deve poder dizer isso, não a sabes - e porque queres sabê-la? É a palavra que conhece o mistério e que o mistério conhece - não é tua. De ti é apenas o silêncio sem mais e o eco de uma música em que ele se reabsorva. [...] É a palavra final a da aceitação". Neste contínuo diálogo in absentia, o discurso dirigido a Sandra aproxima-se de um discurso amoroso, onde a necessidade de falar do ser amado equivale a dar-lhe de novo existência e a reinventá-lo ("Vou fazer-te existir na intensidade absoluta da beleza, na eternidade do teu sorriso. Vou fazer-te existir na realidade da minha palavra.") e a necessidade de falar com o ser amado visa continuar uma declaração de amor tornada impossível pela morte ("Como vou suportar a vida toda e a terra e o universo sem ti no centro da minha cosmogonia?").
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Sandra na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-24 18:42:35]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros