Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Santa Ana

As únicas informações a seu respeito fazem parte do Protoevangelho de Tiago, o Evangelho do Pseudo-Mateus, o evangelho da Natividade de Maria e outros apócrifos posteriores. Estas narrativas atestam que Ana, filha de Nathan, sacerdote de Belém, casou com Joaquim e foi estéril durante muitos anos. Quando, num dia de festa, Joaquim se apresentou no templo para oferecer um sacrifício, foi recusado pelo facto de não ter descendência. Desgostoso, não voltou a casa e dirigiu-se às montanhas para se lamentar e orar a Deus. Quando Ana soube da razão da ausência do marido rezou a Deus para que lhe desse uma criança, prometendo-a ao Seu serviço. As suas orações foram ouvidas e recebeu a visita de um anjo que lhe disse que o fruto do seu ventre seria adorado por todo o mundo. O anjo fez a mesma promessa a Joaquim que voltou para casa. Já em idade avançada, Santa Ana deu à luz uma menina, a quem deu o nome de Maria. Quando esta fez 3 anos, Ana e Joaquim levaram-na ao templo de Jerusalém (Festa de 21 de novembro), de acordo com a promessa que tinham feito de a consagrar ao Senhor.
Num sermão sobre Santa Ana, publicado em Paris em 1579, o padre John de Eck, de Ingolstadt, pretendia saber que os nomes dos pais de Santa Ana seriam Stollanus e Emerentia e que São Joaquim teria morrido logo após a apresentação de Maria ao templo. Santa Ana teria então casado com Cleofas e teria sido mãe de Maria Cleophae, que viria a ser a mãe dos apóstolos Tiago, o Menor, Simão, Judas e José, o Justo. Depois da morte de Cleofas, Santa Ana terá casado com Salomas, cuja filha de ambos, Maria Salomé, teria sido mãe dos apóstolos João e Tiago, o Grande. Esta mesma lenda, encontrada nas narrativas de Gerson e de muitos outros, gerou uma controvérsia no século XVI, na qual Baronius e Bellarmine defenderam a monogamia de Santa Ana. O grego Menaea defende que os pais de Santa Ana seriam Nathan e Maria e que Salomé e Isabel, mãe de S. João Batista, eram filhas de duas irmãs de Santa Ana. De acordo ainda com Epifânio, seguido no século IV por alguns entusiastas, Santa Ana teria concebido sem a intervenção do marido. Este erro da virgindade de Santa Ana, após a conceção e nascimento de Maria, que ressurgiu no Ocidente no século XV, foi condenado pela Santa Sé em 1677.
No Oriente, o culto de Santa Ana é muito antigo, remontando ao século IV, tendo Justiniano dedicado à santa uma igreja no século VI, altura em que se erigiu uma outra em Jerusalém, no suposto local do seu túmulo. O seu culto é, neste rito, celebrado em 25 de julho, data provável da chegada das suas relíquias a Constantinopla, no século VIII, e consta do mais antigo documento litúrgico da Igreja Grega, o Calendário de Constantinopla do século VIII, onde o dia 9 de setembro é dedicado a Santa Ana e a São Joaquim. Na Igreja Latina, Santa Ana só começou a ser venerada a partir do século XIII, embora anteriormente o seu culto já se verificasse no Sul de França. A partir desta altura foram construídos muitos santuários que se tornaram centros de peregrinação. A tradição da igreja de Apt, no sul de França, diz que o corpo de Santa Ana foi trazido por S. Lázaro, escondido por São Auspício e de novo encontrado durante o reino de Carlos Magno. A cabeça de Santa Ana esteve na Mogúncia, até 1510, data em que foi roubada e trazida para Düren, na Renânia. Santa Ana é a protetora da Bretanha, França, onde a sua imagem miraculosa é venerada na igreja de Nossa Senhora de Auray, na diocese de Vannes, e também é patrona principal da província do Quebec, no Canadá, onde se encontra o conhecido templo de Santa Ana de Beaupré. A sua representação mais antiga, uma pintura de influência bizantina do século VIII, foi encontrada mais tarde na igreja de Santa Maria Antiga, em Roma. A iconografia representa Santa Ana ensinando a ler a Virgem Maria e também junto a Nossa Senhora com o Menino Jesus.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Santa Ana na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 02:08:26]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Santa Ana na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 02:08:26]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais