Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Sé Catedral de Aveiro

Em finais do século XV, o bispo de Coimbra D. Jorge de Almeida fez a sagração da igreja de Aveiro dedicada a Nossa Senhora do Pranto. Posteriormente, passaria a ser dedicada a Nossa Senhora da Piedade, depois a Nossa Senhora da Misericórdia e, finalmente, no segundo quartel do século XIX, após extinção das ordens religiosas e para agradar à rainha D. Maria II, cujo nome era Maria da Glória, passaria a ter esta igreja invocação a Nossa Senhora da Glória - hoje Sé Catedral da diocese de Aveiro.
Desde a criação da diocese em 1774, pelo papa Clemente XIV, e até 1826, a Sé funcionou na Igreja da Misericórdia. Daqui foi transferida para a Igreja de S. Bernardino até 1882, altura em que a Santa Sé suprimiu várias dioceses, entre elas a de Aveiro. É só em 1938, com Pio XI, que Aveiro se torna novamente sede de bispado, vindo a funcionar na antiga igreja do Convento de S. Domingos, que, após destruição pelas chamas em 1843, beneficiou de recente remodelação. O responsável por estas obras foi o arquiteto do Porto Abrunhosa de Brito.
A fachada, de traços barrocos, é resultado das intervenções do início de Setecentos. O alçado principal é dividido em três corpos por pilastras. No corpo central abre-se o portal, enquadrado por dois pares de colunas torsas e sobrepujado por nicho e frontão curvo, animado por rica ornamentação, que alberga as imagens da Fé, Esperança e Caridade. Por cima do portal rasga-se um óculo elipsoidal.
Nave central e altar-mor da Sé Catedral de Aveiro
Sé Catedral de Aveiro
O espaço interior do templo apresenta-se agora com a cabeceira transformada e o transepto como braços de uma cruz de Tau. Aqui encontramos um magnífico cadeiral do século XVII que encerra, no espaldar, pinturas de santos dominicanos. Na nave encontram-se os elegantes púlpitos com balaustradas de madeira, um seiscentista e o outro uma cópia desse. Para a plasticidade da nave concorrem, em grande medida, os excelentes azulejos do século XVII.
As capelas laterais possuem variadas obras interessantes: a Capela do Santíssimo, do século XVI, com abóbada de pedra apainelada; a da Visitação, que guarda do século XVI, da renascença coimbrã, excelente retábulo e uma escultura; também do século XVI é a Capela do Senhor dos Passos, com magnífico retábulo maneirista em talha, com escultura de Nossa Senhora do Rosário filiada na mesma corrente estilística.
Na capela-mor, a cúpula é originária de uma capela lateral; o altar-mor, do século XVIII, em talha dourada e policroma, foi trazido da já demolida Igreja de Vera Cruz.
Nos corpos laterais abrem-se janelas altas, de vão retangular e pequena largura. O remate da fachada é feito por frontão curvilíneo, ornado de aletas e coroado por uma cruz. As pilastras são terminadas por volumosos pináculos.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Sé Catedral de Aveiro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-15 17:10:58]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais