Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

semântica cognitiva

As investigações psicologistas de E. Rosch (1973, 1975, 1978) e de B. Berlin (1974) sobre a organização categorial das cores e das plantas, respetivamente, conduziram à aplicação de uma abordagem cognitivista aos estudos semânticos.
A semântica cognitiva representa uma alternativa à conceção artificial e idealizada da língua tal como a concebe a gramática generativa. Insere-se nos novos paradigmas da Linguística do Uso, por oposição aos modelos estruturalistas e generativistas centrados no estudo da langue Saussuriana, uma vez que se interessa pelos aspetos que dizem respeito aos processos que o falante usa para categorizar o mundo, durante a sua performance linguística. Trata-se de um paradigma linguístico em franca expansão.
O cognitivismo tornou-se um modelo mais adequado ao objeto de estudo da semântica, uma vez que a forma como categorizamos a realidade envolvente é o resultado de um processo semântico e cognitivo, visto decorrer da nossa experiência corpórea com o mundo. Além disso, a linguagem em interação com outros sistemas cognitivos (como a perceção, a memória, o raciocínio, a atenção) é parte integrante do fenómeno mais abrangente que constitui a cognição humana, sendo a semântica o mecanismo mais especializado na categorização.
A categorização é um conceito fundamental em semântica cognitiva e pode ser entendida como mecanismo de organização da informação apreendida no mundo que nos permite simplificar a complexa multiplicidade de elementos que nos chegam através dos sentidos e que são filtrados pela nossa experiência social e cultural. A categorização baseia-se em processos de generalização, abstração e discriminação. Associada à noção de categorização surge o conceito de protótipo e de membros periféricos, essencial também em semântica cognitiva.
Por semântica cognitiva entende-se, a nível restrito, um conjunto de propostas teóricas que procuram perceber a interação entre o significado extraído do dicionário e os conhecimentos enciclopédicos e pragmáticos. Nesta linha, surgiram os conceitos de modelo cognitivo idealizado (G. Lakoff, 1987), de domínio cognitivo (R. Langacker, 1987, 1991), de marco (C. Fillmore, 1985) e de espaço mental (G. Fauconnier, 1984). A um nível mais genérico, entende-se por semântica cognitiva os estudos que partem da análise dos processos de categorização, pelo que certas relações léxicas (metáfora, metonímia, polissemia, homonímia, hiperonímia, hiponímia, antonímia e sinonímia) recebem novas interpretações à luz da teoria dos protótipos e do fenómeno da categorização linguística.
Os principais estudos em semântica cognitiva foram desenvolvidos por George Lakoff, Ronald Langacker, Dirk Geeraerts, C. Fillmore e G. Fauconnier, entre outros.
Em Portugal, os principais estudos em semântica cognitiva foram levados a cabo por Anna Batoréo (1996), sobre a expressão do espaço em Português Europeu, por Augusto Soares da Silva (1999) sobre a semântica do verbo deixar e por José Teixeira (2001), sobre modelos mentais subjacentes às proposições frente/trás.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – semântica cognitiva na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-22 15:49:34]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais