Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

semântica estruturalista

A publicação do Cours de Linguistique Général (1916), de Saussure, por um lado, e a descoberta da fonologia pelo formalista russo N. S. Troubeztkoy, por outro, concorreram para a consolidação de um novo paradigma em linguística: o estruturalismo, nascido do Círculo Linguístico de Praga (1930). A sua aplicação à semântica foi levada a cabo por Leo Weisgerber (1927), que começou por defender uma conceção autónoma e imanentista do significado da palavra, rejeitando igualmente a anterior metodologia de análise diacrónica, psicológica e atomística do significado para passar a privilegiar uma metodologia de análise sincrónica e estrututural do significado da palavra. Esta conceção defendia que o significado de um signo linguístico não deve ser considerado isoladamente, mas antes deve ser determinado pela sua posição em relação às estruturas linguísticas de que faz parte.
A semântica estrutural conheceu desenvolvimentos posteriores com:
1) John Lyons (1963), que aprofundou as relações lexicais da sinonímia, antonímia e hiponímia e lançou as bases da metodologia de análise em semântica estrutural;
2) B. Pottier (1964), com o método de análise componencial ou composicional, que consistia em analisar unidades semânticas mais extensas através da sua decomposição num número restrito de unidades mínimas de significado, os semas. Contudo, a semântica componencial não foi capaz de reduzir um lexema a um número menor de semas bipolares (mais/menos) que descrevessem, à semelhança dos traços fonológicos, o significado das palavras. Por outras palavras e partindo do lexema <cadeira>, verificou-se que este não podia ser satisfatoriamente descrito pelos semas [+ assento], [+ quatro pernas], [+ encosto], porque existem cadeiras sem pernas ou com menos do que quatro pernas, sem encosto e de formas muito variadas. Esta inadequação metodológica deu lugar ao nascimento de outra metodologia de análise, a semântica generativa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – semântica estruturalista na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-28 08:51:28]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros