Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Sobressalto Político de 1958

No ano de 1958 realizaram-se as eleições presidenciais que marcariam uma época de grande instabilidade política. A candidatura do general Humberto Delgado, derrotado nas eleições pelo almirante Américo Thomaz, despoletou uma onda de revolta contra o regime salazarista. De facto, já durante a campanha eleitoral Humberto Delgado tinha prometido demitir António de Oliveira Salazar, caso vencesse, granjeando bastantes apoiantes, praticamente toda a oposição ao regime salazarista. O sucesso da campanha deste candidato, após a desistência de dois outros (Arlindo Vicente e Cunha Leal), fez com que o regime tremesse e fossem tomadas medidas repressivas pelo ministro do Exército, Afonso Costa, contra as manifestações públicas de apoio a Humberto Delgado. A mais evidente destas medidas foi o impedimento do comício em Lisboa, na Estação de Santa Apolónia, por intermédio dos legionários comandados por Góis Mota, que obrigou o veículo que transportava Delgado a desviar-se da rota, e da Guarda Nacional Republicana comandada por António de Spínola, sendo igualmente boicotado o comício previsto em Braga. Sem listas eleitorais e com a proibição imposta pelo Governo à oposição no que respeita à inspeção das assembleias de voto, acabou por vencer o almirante Tomás, entre as reclamações generalizadas da oposição. Esta onda na solidez do regime do Estado Novo teve inevitavelmente uma série de repercussões no País. Entre elas contam-se a revisão constitucional de 1959, que instituiu um colégio eleitoral para que não perigasse o corporativismo e não se voltasse a repetir o clima de insegurança das últimas eleições presidenciais. Entretanto fundava-se, secretamente e ainda em 1958, o Movimento Nacional Independente, tendo à cabeça Humberto Delgado. Lutando por valores democráticos, foi dirigido ao ministro do Interior um pedido de autorização de existência e prática de apoio económico e moral aos prejudicados pelo regime de repressão, assim como a contestação dos resultados eleitorais. O pedido foi indeferido e sucederam-se as tentativas do MNI de levar à sublevação generais do exército, contestando também, e abertamente, o regime pela participação ostensiva no aniversário da implantação da República (cujas comemorações foram alvo de intervenção violenta do exército). Em dezembro de 1958 Humberto Delgado foi investigado e demitido, tendo-se asilado na embaixada do Brasil após o insucesso do golpe militar que tinha vindo a ser preparado para se realizar a 28 de dezembro de 1958. Continuariam as tentativas de sublevação, que agregaram no chamado "Golpe da Sé" (março de 1959) um novo setor apoiante: a Igreja Católica.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Sobressalto Político de 1958 na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-16 11:19:44]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros