Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Soror Violante do Céu

Poetisa dominicana portuguesa, nascida em 1602 e falecida em 1693, cujo nome próprio era Violante Montesino. Ficou conhecida nos meios literários da sua época como Décima Musa e Fénix dos Engenhos Lusitanos.
Representa um dos espíritos mais agudos do Parnaso de Seiscentos e um expoente máximo da poesia barroca em Portugal. Celebrizou-se aos 17 anos ao compor uma comédia para ser representada durante a visita de Filipe II a Lisboa. Deixou poemas místico-religiosos a par de obras profanas de lirismo amoroso e de patriotismo, escritas em português e castelhano. Também se dedicou à música como instrumentista, tocando, como consta, harmoniosamente harpa.
Além do volume Rimas publicado em Ruão em 1646 e do Parnaso Lusitano de Divinos e Humanos Versos, publicado, em Lisboa, em 1733, em dois volumes, tem várias composições poéticas na Fénix Renascida.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Soror Violante do Céu na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-13 16:09:12]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais