Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Sudão

Geografia
País da África Oriental. Atravessado pelo rio Nilo, abrange uma área de 2 505 810 km2, sendo o mais vasto Estado africano, com mais de 8% do território do continente. É banhado pelo mar Vermelho, a nordeste, e faz fronteira com a Eritreia, a nordeste, a Etiópia, a leste, o Quénia, a sudeste, o Uganda e a República Democrática do Congo, a sul, a República Centro-Africana, a sudoeste, o Chade, a oeste, a Líbia, a noroeste, e o Egito, a norte. Tem uma zona desértica, que não é mais do que o deserto do Sara, no Norte e no Oeste, ocupando cerca de 30% da área total do país. As principais cidades são Omdurman, a capital legislativa, com 2 211 500 habitantes (2004), Cartum, a capital executiva, com 1 452 600 habitantes, Cartum Norte (1 452 600 hab.), Porto Sudão (468 000 hab.), Nyala (395 400 hab.) e Kassala (348 600 hab.).
Clima
Tribo nómada do Sudão
Bandeira do Sudão
De norte para sul, o clima torna-se menos árido. No Sul do país, onde o relevo é mais elevado, a estação das chuvas é mais longa, possibilitando a formação de savanas e a prática agrícola.
Economia
As principais produções agrícolas são a cana-de-açúcar, o sorgo, o algodão, as tâmaras, o amendoim, as sementes de sésamo, a goma-arábica e o trigo. A indústria está limitada à transformação de matérias-primas agrícolas. Os principais parceiros comerciais do Sudão são a Arábia Saudita, o Reino Unido, a Itália e a China.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita, não foi atribuído.
População
O país tinha, em 2006, uma população de 41 236 378 habitantes, que corresponde a uma densidade populacional de 16,04 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 34,53%o e 8,97%o. A esperança média de vida é de 58,92 anos. O valor do Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,503 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) é de 0,483 (2001). Estima-se que, em 2025, a população seja de 61 339 000 habitantes.
O Sudão ocupa grande parte da bacia do alto Nilo, desde os contrafortes das Terras Altas da África Oriental até ao Sara. É um imenso país que manifesta influências étnicas e culturais dos países vizinhos. No Norte, as populações são árabes e muçulmanas. No Sul, predominam africanos negros, alguns cristãos mas, na sua maioria, pagãos que conservam os seus dialetos tribais. Entre as tribos do Sul incluem-se os Dinkas, os Nuers (um dos povos de estatura mais elevada do mundo, medindo muitos homens mais de 2 m de altura), os Shilluks, os Baris e os Azandes. No conjunto da população, os principais grupos étnicos são os árabes sudaneses (49%), os Dinkas (12%), os Núbios (8%), os Bejas (6%), os Nuers (5%) e os Azandes (3%). A religião predominante é o islamismo sunita (72%), seguido das crenças tradicionais (17%) e do cristianismo (11%). A língua oficial do Sudão é o árabe.
História
Na Antiguidade floresceram neste território duas civilizações: a Núbia e o Kush. No século VI, três reinos sudaneses foram convertidos ao cristianismo e constituíram até ao século XIV bastiões contra o avanço do islamismo. Em 1821 os exércitos enviados por Muhammad Ali, do Egito, ocuparam grande parte da região norte e desenvolveram o comércio de marfim e de escravos. Mais tarde, Ismail Paxá tentou alargar a influência do Egito para sul e nomeou o general inglês Gordon governador-geral do Sudão. Em 1881 Mahdi Muhammad Ahmed encabeçou uma revolução destinada a reformar o Islão e a expulsar todos os estrangeiros do Sudão. Em 1898 o sucessor de Mahdi foi derrotado por um exército anglo-egípcio. No ano de 1956 rebentou a guerra civil e um ano depois o Sudão tornou-se independente. Os anos seguintes seriam de instabilidade política. A um regime de democracia multipartidária seguiu-se um golpe militar em 1958 e o regresso a um regime civil em 1964. Em 1969 o coronel Nimeiri chefiou um segundo golpe e, três anos mais tarde, pôs fim à guerra civil, que durava havia 16 anos. Em causa estavam as rivalidades seculares entre o Norte, de religião muçulmana, e o Sul, de tradição cristã e animista de expressão africana.
Nimeiri formou um governo de esquerda e em 1973 proclamou o Sudão um Estado de partido único. Expulsou os conselheiros militares soviéticos em 1977 e procurou ajuda no Ocidente. Esta nova orientação política permitiu negociações com a Etiópia, de que resultou um acordo com Addis-Abeba e o aumento da popularidade do general Nimeiri. Na década de oitenta, o Sudão recebia um auxílio estrangeiro superior a 700 milhões de dólares, mais do que qualquer outro país africano.
O país viria a ser assolado pela seca, que deixou vastas áreas desertificadas. A situação complicou-se com a chegada de um milhão de refugiados, quase todos vindos da Etiópia, onde eram vítimas de fome e de guerra.
A economia sudanesa só se tem mantido à custa de subsídios dos países árabes ricos, da União Europeia e dos Estados Unidos. Em 1983, Nimeiri tentou consolidar a sua base de apoio entre os fundamentalistas islâmicos introduzindo a lei de Sharia, com severas punições sob a forma de açoitamentos, mutilações e enforcamentos. Esta política desencadeou revoltas no sul do Sudão entre os não muçulmanos. O exército de libertação do povo sudanês afundou um barco no Nilo, causando centenas de mortes e bloqueando o tráfico fluvial, atacou instalações estrangeiras e minou estradas e linhas-férreas.
As primeiras eleições democráticas realizaram-se em 1986 e colocaram no poder uma coligação de partidos do Norte que tentou negociar com o Sul, mas viu-se confrontada com gravíssimos problemas políticos e económicos.
A população sudanesa tem suportado uma desastrosa gestão económica do país onde a escassez de alimentos não para de se agravar, assim como um clima de constante tensão e instabilidade política. 20% do PIB é gasto em despesas de guerra e, em 1995, a inflação foi de 85%.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Sudão na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-17 18:19:59]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais