Natal WOOK
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

tectónica de placas

Na década de 60, as ciências da Terra foram objeto de uma revolução que se pode considerar idêntica às experimentadas pela biologia no século XIX, com a emergência das ideias darwinianas sobre a evolução, e pela física no século XX, com a teoria da relatividade. A revolução geológica correspondeu à elaboração que se revelou unificadora das diferentes disciplinas das ciências da Terra: a tectónica de placas.
Esta teoria que integra a maioria dos dados geofísicos assenta principalmente sobre duas noções: a deriva dos continentes e a expansão dos fundos oceânicos. Esta teoria fez definitivamente com que a comunidade geológica abandonasse as suas posições "fixistas" e optasse pelo conceito de "mobilismo central".
Da mesma maneira que as revoluções darwiniana e einsteiniana não foram fruto de uma investigação totalmente isolada, a teoria da tectónica de placas não é mais que a síntese final de toda uma série de trabalhos precursores, entre os quais são de destacar os de Alfred Wegener, jovem cientista alemão que em 1912 publicou o livro A Viagem dos Continentes e Oceanos, que estabelecia as bases de uma hipótese nova e radical denominada deriva dos continentes. A teoria da deriva continental é em parte semelhante à teoria da tectónica de placas. Dados paleontológicos, paleoclimáticos e geológicos indicam que os continentes estiveram juntos como Wegener os representou na Pangeia e que a partir do período Triásico esse continente se fragmentou.
Representação dos limites das placas litosféricas
Só em 1960, com base em novas informações sobre o campo magnético terrestre, se ressuscitou a teoria de Wegener e se reconheceram as suas contribuições. Em 1968, o desenvolvimento do conhecimento sobre o fundo dos oceanos, a atividade sísmica e o campo magnético terrestre permitiram propor uma nova teoria, conhecida como teoria da tectónica de placas.
O conceito de placa tectónica foi proposto em 1967 por D. P. Mckenzie e R. L. Parker, num artigo publicado com o título "The North Pacific: an example of tectonics on a sphere", e por W. J. Morgan no artigo intitulado "Rises, trenches, great faults and crustal blocks". A ideia base é que a litosfera está dividida em placas (atualmente aceita-se a existência de sete grandes placas e outras mais pequenas), sendo o seu limite uma falha que separa uma placa da outra. As placas movem-se na superfície terrestre, cada uma em direção diferente da da placa adjacente. Deslizam lentamente sobre a astenosfera, a uma velocidade de 1 a 18 centímetros por ano.
A tectónica de placas é um ramo da geologia que estuda a deformação estrutural da crosta terrestre, incluindo as suas relações mútuas, a origem e a evolução histórica das suas características.
Quando duas placas se encontram, devido às forças geradas nos seus limites, pode ocorrer a formação de montanhas, fenómenos ativos de vulcanismo e sismos. Ao contrário de que acontece nos limites, as porções interiores das placas são zonas tectonicamente estáveis. Atendendo à maneira como as placas se deslocam umas relativamente às outras, são designadas entre si por: placas divergentes (se se afastam uma da outra), placas convergentes (se se deslocam na direção uma da outra e colidem) e placas transformantes (se se deslocam horizontalmente uma relativamente à outra).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – tectónica de placas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-12-01 11:15:42]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río