Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Tony Ramos

Ator brasileiro, de seu nome verdadeiro António de Carvalho Barbosa, nasceu a 25 de agosto de 1948 em Arapongas, Paraná. Casou-se em 1969 com Lidiane, de quem tem dois filhos.
Cara conhecida, especialmente da televisão, pela sua participação em mais de 30 telenovelas e séries, Tony Ramos começou a sua carreira em 1965, pela TV Tupi, na telenovela A Outra. De 1965 a 1976, trabalhou ao serviço desta estação fazendo mais 10 telenovelas. Em 1977, entrou para a TV Globo, de onde não saiu mais, e trabalhou com autores famosos como Janete Clair, Ivani Ribeiro, Sílvio de Abreu e Walter Negrão. A sua primeira telenovela na Globo foi Espelho Mágico e, no mesmo ano, participou em O Astro, primeira novela que o deu a conhecer em Portugal. Depois desta, entrou em várias telenovelas famosas em Portugal, tais como Pai Herói (1979); Baila Comigo (1981); Selva de Pedra (1986); Rainha da Sucata (1990); Felicidade (1991); A Próxima Vítima (1995), no papel do italiano Juca Mestieri; Anjo de Mim (1996); Torre de Babel (1998); As Filhas da Mãe (2001); e Mulheres Apaixonadas (2003).
Participou ainda em várias mini-séries, com destaque para Grande Sertão, Veredas (1985), de Walter Avancini, baseado no livro de Guimarães Rosa, e O Primo Basílio (1988), inspirado no livro de Eça de Queirós.
Tony Ramos participou também em algumas peças de teatro e no cinema. A sua estreia na Sétima Arte deu-se em 1968 com o filme O Pequeno Mundo de Marcos, seguindo-se Os Diabólicos Herdeiros (1971), Noites do Sertão (1984), Minas-Texas (1989), Pequeno Dicionário Amoroso (1997) e Bufo e Spallanzani (2001), entre outros.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Tony Ramos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-10 22:21:29]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais