Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Trinta e Um de Janeiro de 1891

No decorrer da segunda metade do século XIX, a Europa conheceu um grande desenvolvimento económico, com o correspondente aumento generalizado da produção. Tais circunstâncias exigiam das potências europeias, como a Inglaterra, a Alemanha ou a França, a exploração de novos mercados e de novas fontes de matérias-primas.

Foi neste contexto que se afirmou o crescente interesse daqueles países pelo continente africano e pelo expansionismo colonial.
Alves da Veiga, fundador do Centro Republicano do Porto
Gravura representando a Proclamação da República em 31 de janeiro, no Porto, de Bertrand Dete, in A Ilustração: Revista Universal, Paris, 1891
Gravura representando a Revolta de 31 de janeiro ocorrida no Porto, da autoria de Louis Tynayre, in A Ilustração: Revista Universal, Paris, 1891

Alertados para tais desígnios, sobretudo após a Conferência de Berlim (1884-85), alguns portugueses expressaram a intenção de formar um vasto território na África Central, uma espécie de novo Brasil que ligava os litorais de Angola e Moçambique, desenhando, assim, o chamado "Mapa cor-de-rosa". No entanto, esta pretensão chocava claramente com os planos do expansionismo inglês, razão por que a poderosa Inglaterra respondeu aos propósitos de Portugal com um ultimato, cujas condições foi forçoso acatar.

A humilhação subsequente, sentida como tal pela população portuguesa, desembocou na revolta republicana ocorrida na guarnição militar do Porto, na madrugada de 31 de janeiro de 1891. Sendo o culminar de uma onda de descontentamento que o ultimato de janeiro de 1890 levantara em todo o país, esta foi a primeira revolta de cariz republicano a abanar as estruturas da Monarquia em Portugal.

Após o ultimato inglês, generalizou-se, um pouco por todo o país e sobretudo entre as classes mais esclarecidas, a convicção de que o sistema republicano seria a única saída de dignidade e salvação.

Nas cidades de Lisboa e Porto, com especial incidência nesta última, conspirava-se por todo o lado, de forma aberta e participada por vários setores da sociedade, com especial destaque para os estudantes, jornalistas, juristas e sargentos. O impune à-vontade com que os republicanos portuenses se moviam e proclamavam os seus ideais fê-los crer que a revolta teria a adesão expressa das forças militares estacionadas no Porto. Esta razão poderá explicar a precipitação e a profusão de erros estratégicos cometidos pelos revoltosos.

Na realidade, ao contrário do esperado pelos republicanos, a maior parte dos regimentos não saiu dos quartéis. Só o batalhão de Caçadores 9, comandado por sargentos, a que mais tarde se juntou o alferes Malheiro e alguns batalhões chefiados pelo capitão Leitão, aderiram à intentona, concentrando-se no Campo de Santo Ovídio, hoje Praça da República. De aí, por entre vivas à República, dirigiram-se aos Paços do Concelho onde foi proclamada, por Alves da Veiga, a implantação da República e anunciada a constituição de um Governo Provisório.

Parecia, então, que a revolta estava terminada e a vitória garantida, apesar da fraca adesão dos militares, em especial do corpo de oficiais da cidade, mas tal não era verdade. De facto, quando as tropas revoltosas subiram a rua de Santo António, hoje 31 de janeiro, para se juntarem à Guarda Municipal, esta, do cimo da rua, abriu fogo sobre os revoltosos e civis que os acompanhavam.

Os revoltosos ainda se refugiaram no edifício da Câmara e tentaram resistir, mas a derrota estava consumada.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Trinta e Um de Janeiro de 1891 na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-25 03:59:12]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros