Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Ugarit

Aqui floresceu uma civilização da Idade do Bronze do Próximo Oriente (Bronze III).
Ugarit e o seu porto, atualmente Ras Shamra e Minet el Beida constituíram o centro de uma grande rede comercial e cultural que se estendia por todo o Levante e ia até à Anatólia e à Grécia.
O reino de Ugarit já se conhecia antes da descoberta das ruínas de Ras Shamra (antiga cidade-reino de Ugarit) em 1928, uma vez que já eram conhecidas as citações feitas a este reino nas cartas de Tell Amarna.
No 2.º milénio a. C., esta cidade-reino estava sob a influência política e cultural do Egito e mantinha relações com todos os povos vizinhos, apoiando, militarmente, os hititas.
Por volta de 1800 a. C., Ugarit sofreu a invasão dos hurritas e, em 1200 a. C., a dos povos egeo-minóicos.
O período de grande apogeu desta cidade foi na segunda metade do 2.º milénio (1440-1360 a. C.), no reinado de Niqmadu II.
Porém, foram ficando cada vez mais dependentes dos hititas, como o atestam os numerosos tratados com os Hititas que foram encontrados nos arquivos reais.
No início do século XII a. C., Ugarit foi incendiada e destruída durante a invasão dos povos do mar.
Ugarit era uma cidade amuralhada que possuía uma terra fértil, bem irrigada e uma floresta.
Esta cidade funcionava como um mercado, onde se fazia uma troca direta. A Ugarit chegavam, para além das caravanas de burros vindas da Síria, Mesopotâmia e da Anatólia, barcos de Chipre, Creta e do mar Egeu, para trocarem os seus produtos com os mercadores de Canaã e do Egito.
Ugarit possuía ainda inúmeras indústrias (têxtil, metais, marfins, madeira, cerâmica, artesanato...) que transformavam a matéria-prima em artefactos para serem comercializados.
Estudos feitos a navios dos séculos XIV e XIII a. C. mostraram a variedade de produtos que eram transportados e comercializados nestes navios (cobre, estanho, vidro, colares de faiança e âmbar, cerâmicas, marfim, joias, tecidos e gado).
Os numerosos artefactos encontrados nestes navios provam ainda a existência de diferentes medidas de peso.
A importância de Ugarit, para além de ter sido um ponto fulcral de comércio aonde convergiam povoações de todo o Levante, advém-lhe do facto de nesta cidade terem sido encontradas tábuas de argila em alfabeto cuneiforme, contendo textos administrativos, económicos, jurídicos e religiosos em língua acádia, classificada como pertencente ao grupo das línguas semitas ligadas ao hebraico do Antigo Testamento.
O estudo destas tábuas revelou uma forte relação com a literatura dos hebreus que foi o grupo que veio a habitar Canaã, isto é, permitiu um conhecimento mais apurado da religião da Síria e da Palestina, antes da entrada dos judeus.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Ugarit na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 00:43:20]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais