Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

UHF

Em 1978 surgiu em Almada um grupo de quatro rapazes com uma enorme vontade de vencer no mundo da música. Os rapazes eram Américo Manuel (bateria), Carlos Peres (viola-baixo), Renato Gomes (guitarra) e António Manuel Ribeiro (voz e guitarra). O primeiro concerto do quarteto aconteceu em novembro desse ano. O ano seguinte marcou a estreia nas gravações. A Metro-Som editou um EP com os temas "Jorge Morreu", "Aquela Maria" e "Caçada". Por esta altura, a banda já percorria o país, chegando a fazer as primeiras partes de concertos de Dr. Feelgood e de Elvis Costello.
A 16 de agosto de 1980 participam no I Festival Rock, na praça de touros de Cascais, na companhia dos Skids, Tourists, Original Mirrors e 999. Ainda nesse ano, são escolhidos para as primeiras partes de três concertos dos míticos Ramones, em Portugal. O single "Cavalos de Corrida" é editado em outubro e torna-se, em poucos dias, o número um da tabela nacional.
O primeiro álbum do grupo chegou às lojas em 1981. À Flor Da Pele atingiu o galardão de disco de ouro. O single "Rua do Carmo" mantém-se na tabela de singles durante mais de 30 semanas.
Em 1982, na editora Rádio Triunfo, é editado o álbum Persona Non Grata, seguindo-se uma digressão pela França e pela Alemanha. Após algumas mudanças na formação da banda, chega às lojas Ares e Bares de Fronteira (1983). No Jogo da Noite (Ao Vivo em Almada) (1985), gravado no Centro Cultural de Alfeite (Almada), foi o primeiro registo ao vivo do grupo.
A banda volta a sofrer alterações no alinhamento, parecendo que tudo girava em torno de António Manuel Ribeiro, principal compositor do grupo e impulsionador das constantes mudanças.
Em 1988 mudam para a editora Edisom e lançam o single "Na Tua Cama" e o álbum Noites Negras de Azul. Seguiram-se alguns EP's e mini-álbuns e, adicionalmente, mais alterações na formação dos UHF.
Depois de algumas edições sem grande expressão, o grupo assina com a BMG. O primeiro disco sob esta assinatura surgiu em 1991. Comédia Humana ficou associado a mais mudanças nos UHF e incluía temas como "Brincar No Fogo" e "De Segunda Até Sexta". No ano seguinte, António Manuel Ribeiro editou o seu primeiro álbum a solo, de título Pálidos Olhos Azuis. Nesse ano, os UHF têm concertos bem sucedidos nos Coliseus de Lisboa e Porto.
Em 1993, surge o disco Santa Loucura. O maior êxito deste registo foi a versão de "Menina Estás à Janela". Ainda nesse ano, os UHF colaboram na compilação Filhos da Madrugada, de homenagem a José Afonso, com o tema "A Morte Saiu À Rua".
No ano de 1995, foi editado o álbum Cheio, com uma nova versão do clássico "Cavalos de Corrida". No ano seguinte, novo disco, com o título 69 Stereo. O single "Foge Comigo Maria" ajuda a trazer o álbum para a ribalta, sendo considerado um dos melhores discos rock nacionais desse ano.
Os meses seguintes marcaram algum descontentamento dos UHF pela desconsideração das editoras. Fundam a Am. Ra Records e editam o disco Rock É! Dançando na Noite.
A compilação Eternamente, em formato duplo, surgiu em 1999. Nessa coleção estavam reunidos os principais temas que o grupo gravou para a EMi, a Edisom e a BMG.
No ano seguinte, António Manuel Ribeiro lança novo trabalho a solo, com o título Sierra Maestra.
Dois anos mais tarde, as Edições Garrido editaram o livro Todas As Faces De Um Rosto, da autoria de António Manuel Ribeiro, com poemas inéditos, letras de canções, notas de estrada e várias fotografias.
Por ocasião do regresso à EMI e da edição de La Pop End Rock (2003), os membros do grupo eram António Manuel Ribeiro, António Côrte-Real, Fernando Rodrigues e Ivan Cristiano.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – UHF na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-06 05:32:39]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais