Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Vanessa Redgrave

Atriz inglesa, Vanessa Redgrave nasceu a 30 de janeiro de 1937, em Londres. Filha do ator Michael Redgrave, herdou do pai o gosto pelo teatro. Aos 17 anos, inscreveu-se na Central School of Speach and Drama de Londres, tendo-se estreado nos palco, em 1958, ao lado do pai, na peça A Touch of the Sun. No ano seguinte, chegou ao cinema iniciando a sua carreira com o filme Behind the Mask (1958). Considerada uma jovem promessa do panorama artístico britânico, foi admitida em 1959 na mais prestigiada companhia teatral inglesa: a Stratford-Upon-Avon Theater Company. Aqui, conheceu o ator, encenador e realizador Tony Richardson, com quem contraiu matrimónio em 1962. Depois de alcançar algum prestígio interno com a interpretação de personagens shakespearianas, foi convidada pelo realizador Michelangelo Antonioni para protagonizar ao lado de David Hemmings o filme Blowup (História Dum Fotógrafo, 1966). Nesse mesmo ano, personificou Ana Bolena em A Man For All Seasons (Um Homem Para a Eternidade, 1966) e deslumbrou os críticos de Hollywood com o retrato de uma esposa de um artista desequilibrado em Morgan (Morgan - Um Caso Para Tratamento, 1966), papel que lhe valeu a nomeação para o Óscar de Melhor Atriz. Perdeu-o para Elizabeth Taylor, mas conseguiu convencer os cinéfilos do seu talento - tornou-se uma das atrizes mais requisitadas pelos produtores de Hollywood. Durante as filmagens, envolveu-se num tórrido romance com o ator italiano Franco Nero e a relação encheu as páginas dos tabloides. Voltou a ser nomeada para o Óscar de Melhor Atriz por Isadora (1968), onde deu corpo à famosa dançarina Isadora Duncan. Três anos depois, voltou a ser notícia por ter desencadeado a ira do Vaticano quando encarnou uma freira obcecada por sexo, na França do século XVII, em The Devils (Os Diabos, 1971). Redimir-se-ia, arrancando mais uma nomeação para o Óscar de Melhor Atriz pela figura de Maria Stuart em Mary, Queen of the Scots (Duas Rainhas, 1971). O tão almejado galardão chegou mas na categoria de Melhor Atriz Secundária, pela sua interpretação de lutadora antifascista na Alemanha nazi em Julia (Júlia, 1977). Contudo, no momento em que proferiu o discurso de agradecimento, optou por criticar o sionismo e defender a causa do povo palestiniano, o que lhe valeu os assobios e reprovação dos seus colegas. Como consequência disso, em junho de 1977, uma bomba destruiu a sala de Los Angeles onde estava a ser exibido um documentário por si realizado: The Palestinian. A partir daí, afastou-se dos principais estúdios de Hollywood, encontrando refúgio no seu país natal. Voltou a ser nomeada para os Óscares por dois filmes de James Ivory: The Bostonians (As Mulheres de Boston, 1984) e Howards End (Regresso a Howards End, 1992). Mais recentemente, desempenhou papéis secundários em grandes produções como Mission: Impossible (Missão Impossível, 1996), Girl, Interrupted (Vida Interrompida, 1999) e The Three Kings (Os Três Reis, 2000).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Vanessa Redgrave na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-26 01:57:57]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Vanessa Redgrave na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-26 01:57:57]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros