Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Velas

Aspetos Geográficos
Vila e sede do concelho, Velas localiza-se na Região Autónoma dos Açores (NUT II e NUT III), na ilha de São Jorge, ilha pertencente ao grupo central do arquipélago dos Açores. O concelho é limitado a leste pelo concelho de Calheta, ocupando uma superfície de 119,1 km2, distribuída por seis freguesias: Norte Grande (Neves), Rosais, Manadas (Santa Bárbara), Santo Amaro, São Jorge e Urzelina (São Mateus).
Em 2001, o concelho apresentava 5605 habitantes.
Vista aérea de Velas na Ilha de São Jorge, Açores
Igreja de São Jorge de Velas, ilha de São Jorge
Brasão do concelho de Velas
O clima nesta região é ameno e húmido, com temperaturas médias que oscilam entre os 14 ºC e os 22 ºC, e com uma precipitação regular ao longo do ano, responsável pela fertilidade dos solos e pela existência de alguns recursos hídricos, de que são exemplo as ribeiras da Fonte e do Belo. O relevo é caracterizado por basaltos e aglomerados, sendo constituído por diferentes formações geológicas, nomeadamente: Fajã do João Dias, Fajã da Ponte Furada, Morro Grande (150 m), monte Trigo (503 m), Pico Pelado (475 m) e Pico do Carvão (954 m).
História e Monumentos
A ilha de S. Jorge foi descoberta em meados do século XV, iniciando-se o seu povoamento entre 1439 e 1470. Velas recebeu o foral de vila no final do século XV. A economia do concelho baseava-se no cultivo da vinha e do trigo e na exportação de pastel e urzelina para as tinturarias da Flandres e Europa, conhecendo nessa altura algum desenvolvimento económico. A ocupação espanhola e o facto de não oferecer bons portos de abrigo levaram a que a ilha de S. Jorge não prosperasse como as ilhas vizinhas. No entanto, sofreu vários ataques de corsários durante os séculos XVI a XVIII, incluindo dos famosos corsários conde Essex e Du-Gnay-Trouin. Além disso, nesse período a população esteve sujeita a várias calamidades, tais como sismos, erupções vulcânicas e maus anos de colheitas, acabando por conduzir a um ainda maior isolamento da ilha.
No século XX a construção do aeroporto e a reabilitação dos portos de Calheta e Velas promoveram o desenvolvimento económico da região.
Do património arquitetónico de Velas destacam-se a igreja matriz, que substituiu o edifício mandado erguer pelo Infante D. Henrique, e a Igreja da Misericórdia Velha.
No concelho existem várias capelas, nomeadamente a Capela de Nossa Senhora do Rosário, que pertenceu ao antigo Convento das Freiras de Santa Clara, a Capela de São João, de meados do século XIX, a Capela de Santo André, a Capela de Nossa Senhora do Pilar, de fins do século XVIII, a Capela das Almas, a Capela de Nossa Senhora da Piedade, a Capela de Santa Ana e a Capela de São Pedro.
É de referir ainda os paços do concelho, do século XVIII, de estilo barroco açoriano, com as suas colunas salomónicas. Alberga um espólio documental que remonta aos séculos XVI e XVII.
Tradições, Lendas e Curiosidades
A atividade cultural no concelho é marcada pelas Festas do Espírito Santo, celebradas em praticamente todas as ilhas. Estas festas estão ligadas aos primeiros colonos, que assim pediam proteção contra os desastres naturais. O ritual inclui a coroação de uma criança, que usa o cetro e uma placa de prata, símbolos do Espírito Santo, tendo lugar uma grande festa no sétimo domingo depois da Páscoa. Estas festas incluem as touradas à corda, uma tradição importada da vizinha Terceira. De destacar também a Semana Cultural de Velas, em julho.
No artesanato, a ilha oferece as rendas, as colchas de tear ou de ponto alto, feitas de lã e muito coloridas, e a viola de arame usada nas festas da ilha.
A personalidade ligada ao concelho que mais se distinguiu foi Francisco Lacerda (1869-1934), um compositor e maestro reconhecido na Europa.
Ainda no aspeto cultural, são de referir o Museu de Arte Sacra, sediado na igreja matriz, e a Casa de Artesanato do município.
Neste concelho, na povoação de Rosais, conta-se a lenda das rosas de Rosais que reza assim: Lúcia e João estavam apaixonados e prometidos desde crianças por acordo das famílias de ambos, pelo que resolveram marcar a boda assim que se tornaram adultos. Na véspera do casamento, João foi chamado para a guerra. A notícia deixou-os bastante abalados e tristes. Antes de partir e para consolar a amada, que não parava de chorar, disse-lhe para pedirem a Nossa Senhora um sinal: enquanto ele estivesse vivo, um terreno junto a suas casas permaneceria sem vegetação, mas se ele fosse ferido e morresse brotariam espontaneamente rosas vermelhas daquele chão. E João lá partiu para cumprir o seu dever. O tempo foi passando, os anos foram-se sucedendo, até que ao terceiro ano Lúcia deixa de receber notícias do noivo. Ela ficou desesperada mas, como não brotava nenhuma rosa vermelha, mantinha a esperança. Certo dia, chegou um frade com notícias de João. Estiveram presos juntos e João, muito fraco e doente, pedira ao frade que fosse falar com a noiva e a confortasse pela sua morte. O frade olhou pela janela e viu o descampado encher-se de rosas vermelhas. Lúcia faz então um novo pedido a Nossa Senhora: que espalhasse no campo rosas brancas quando ela morresse. No dia seguinte, aconteceu um novo milagre: surgiram rosas brancas junto às vermelhas e Lúcia dormiu para sempre. E assim a povoação passou a chamar-se Rosais.
Economia
Velas é um concelho quase exclusivamente dedicado ao setor primário, nas áreas da exploração agrícola e florestal, em que 52,1% e 42% da área do concelho constituem a área agrícola e a florestal, respetivamente. A agricultura é praticada em pequenas explorações, destacando-se as culturas forrageiras, culturas permanentes de citrinos, batata e vinha, culturas temporárias de cereais para grão, prados, pastagens permanentes e prados temporários. O parque florestal é constituído essencialmente por cedros, zimbros e loureiros.
No que respeita à pecuária, os bovinos, os suínos e as aves constituem as principais espécies de criação de gado.
Quanto ao setor secundário, as atividades desenvolvem-se nas áreas das indústrias de laticínios, de conserva de peixe, de madeira e de fabrico de blocos. Destaque para o queijo de S. Jorge, fabricado na ilha, e que é exportado para a Europa. No setor terciário, essencialmente dedicado ao turismo, as principais atividades e atrações turísticas que se podem encontrar no concelho e por toda a ilha são a pesca desportiva, mergulho, observação submarina, caça, caminhadas e passeios.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Velas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-25 03:17:29]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais