Campanha de Aniversário da Escola Virtual
Livros e Autores

O Retiro

Sarah Pearse

A Imperatriz

Gigi Griffis

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

Vespa Piaggio

Esta máquina foi desenhada em 1945 por Corradine D'Ascanio, um engenheiro aeronáutico, sob encomenda de Enrico Piaggio, dono de uma fábrica de motos em Pontedera. O objetivo era conseguir um veículo muito simples e fácil de usar e simultaneamente de baixo custo.

Retomando algumas das soluções próprias das scooters mais antigas, desenvolvidas desde 1916, aliaram a um sistema mecânico básico uma manobrabilidade e conforto de condução pouco comuns nos veículos de duas rodas. Tinham geralmente a forma de trotinetes motorizadas, articuladas para permitirem um fácil arrumo.
A Vespa Piaggio teve o seu auge nos anos 50 e 60
Dois modelos de motociclos

As scooters tinham conhecido uma ampla utilização durante a guerra, tendo sido criados modelos articulados que podiam ser lançados em paraquedas. O revolucionário motociclo desenhado por D'Ascanio e lançado no mercado em 1946 apresentou inúmeras inovações relativamente às scooters anteriores. Constituída por um núcleo principal formado por um assento e pelo apoio dos pés e por um sistema frontal articulado, contendo o eixo da roda e uma chapa ligeiramente curva que protegia o condutor, acomodava o motor sob o banco, junto à roda traseira.

A posição de condução sentada era bastante confortável e permitia uma utilização indiferenciada por homens ou por mulheres. As roda de reduzido diâmetro limitavam um pouco as performances do veículo mas imprimiam-lhe maior segurança e robustez. Um motor de dois tempos e de 98 centímetros cúbicos admitia uma velocidade máxima de 60 kilómetros horários.

A qualidade do seu projeto original assim como a relevância das premissas conceptuais e funcionais garantiram a esta máquina uma longevidade notável.

Um ano depois do lançamento do primeiro modelo de Vespa foi produzida a primeira scooter pela empresa que se transformará na sua principal concorrente italiana, a Lambretta. Este motociclo adotou as principais caraterísticas técnicas e formais da sua rival de 1946.

O sucesso destes veículos estava no seu baixo preço, na economia do funcionamento e da manutenção e na flexibilidade de utilização. Adaptou-se perfeitamente às necessidades das classes operárias europeias saídas da Segunda Guerra Mundial e ainda com pouco poder de compra para poder aspirar à posse de um automóvel.

A Vespa evoluiu consideravelmente desde 1946 e conheceu o seu auge nos anos 50 e 60, altura em que se assumiu como um meio de transporte simultanemante de trabalho e de lazer. A Vespa GS, de 1955, constituiu um aperfeiçoamento do motociclo original, tornando-se no modelo mais conhecido e no protótipo para as posteriores scooters desta marca. Possuia um peso de 110 kilos e uma velocidade máxima de 100 kilómetros por hora, o que lhe imprimia uma grande versatilidade de uso. Nesta altura a sua produção internacionalizou-se, sendo fabricada em quase todos os países europeus e, posteriormente, em alguns países asiáticos, o que a tornou num dos mais divulgados e comercializados veículos de duas rodas de sempre.

A Vespa, tal como o revelaram muitos dos filmes da escocla neorrealista italiana, significou não só uma forma de vida para uma geração mas tornou-se um dos mais marcantes representantes da reconstrução europeia nos pós-guerra, símbolo também da cultura italiana e da sua capacidade para desenvolver objetos industriais dotados de um design de alta qualidade.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Vespa Piaggio na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2023-01-28 01:00:01]. Disponível em
Livros e Autores

O Retiro

Sarah Pearse

A Imperatriz

Gigi Griffis

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov