Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Vienne

Décimo quinto concílio ecuménico da Igreja do Ocidente, reunido em Vienne, na França, entre 1311 e 1312, convocado pelo papa Clemente V.
Clemente V (1305-1314) era um papa de origem francesa, que entendeu, depois da sua eleição, não ser necessário fixar-se em Roma, permanecendo em terras gaulesas, mais concretamente em Avinhão, cidade que seria adquirida pela cúria papal em 1348. Nos dois séculos anteriores, o papado lutara contra a hegemonia e controlo da coroa germânica, colocando-se em meados de Trezentos, como dizia o teólogo August Franzen, sob a égide de uma outra monarquia, a francesa. À qual se submeteram e de que foram bastas vezes instrumentos do seu poder.
Como sucederia neste concílio de Vienne, na Provença, sul de França, convocado pelo plácido papa Clemente V, sucumbido à tutela de Filipe o Belo, poderoso soberano francês (1285-1314). A fraqueza do papa poder-se-á medir com o seu alinhamento com o dito rei na questão dos Templários, ordem religiosa militar estabelecida na Europa depois das Cruzadas e detentora de vasto património fundiário e pecuniário, principalmente em França. Em 1307 foram presos mais de 2000 cavaleiros do Templo, muitos deles supliciados por Filipe, mas nada fez Clemente V para o travar. O objetivo fora conseguido: a apropriação dos bens dos Templários em França. Mais tarde, em 1314, cumulando todo o processo, o grão-mestre do Tempo, Jacques de Molay, foi queimado na fogueira em Paris, sem a oposição de Clemente V.
Mas o grande instrumento legal de todo este processo contra os Templários foi o concílio de Vienne, que se realizou entre 16 de outubro de 1311 e 6 de maio de 1312 (com cerca de 300 bispos, os patriarcas de Alexandria e Antioquia e três reis, o de França, Eduardo II de Inglaterra e Tiago II de Aragão), que em grande parte serviu para eliminar aquela ordem da Cristandade e reduzir os seus bens à posse dos senhores laicos, as monarquias e seus braços feudais. D. Dinis, rei de Portugal à época (1275-1325), conseguiu no entanto transferir os bens dos Templários portugueses não para a Coroa nacional mas antes para uma nova ordem militar, a futura Ordem de Cristo, relacionada com a coroa mas com património e administração próprias, uma solução bem mais pacífica e legal que a de Filipe o Belo.
Além das questões dos Templários e do controlo do papa por parte da coroa francesa, este concílio de Vienne ocupou-se ainda do debate acerca da Pobreza de Cristo, em função da polémica acerca do verdadeiro sentido da Pobreza e da imitação da comunidade apostólica de Jerusalém. Pouco se avançou em Vienne acerca desta questão, que afetava a moralidade e os costumes e práticas tanto do clero como dos fiéis, questão que esteve na base de muitas críticas e intentos de reforma da Igreja em alguns setores da Cristandade ocidental, criando porém heresias e erros doutrinais. Assim, Vienne condenou os erros dos Begardos e das Beguinas, associações de vida cristã contemplativa, caritativa e pauperística que redundariam na heresia e nos erros doutrinais. A perfeição espiritual era um dos seus objetivos, como o era de Pierre Jean d'Olivi, teólogo francês defensor da pobreza de Cristo, que deveria ser extensível ao clero e a todos os cristãos, o que lhe valeu a condenação pelo concílio de Vienne, tal como ainda sucedeu aos Fraticelli e aos Dolcinitas, heresias apocalíptico-milenaristas de cariz pauperístico que assolaram a Europa meridional, criticando a Igreja opulenta e trucidando clérigos e grupos de cristãos. Em Vienne ainda se defendeu o socorro à Terra Santa, bem como se tentou, sem grande entusiasmo, contudo, o restabelecimento da disciplina eclesiástica. Neste concílio legislou-se também a favor do ensino das línguas orientais nas universidades, bem como se procurou tentar deixar vivo o espírito de cruzada.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Vienne na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-18 21:35:47]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais