Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Vila de Rei

Aspetos Geográficos
O concelho de Vila de Rei, do distrito de Castelo Branco, localiza-se na Região Centro (NUT II), no Pinhal Interior Sul (NUT III). Ocupa uma área de 191,3 km2 e abrange três freguesias: Fundada, S. João de Peso e Vila de Rei.
O concelho encontra-se no centro geográfico de Portugal continental, limitado a este, a sul e a oeste pelo concelho de Mação (distrito de Santarém) e a norte por Sertã.
Moinho em Vila de Rei
Brasão do concelho de Vila de Rei
Monumento moderno em Vila de Rei
O concelho apresentava, em 2005, um total de 3240 habitantes.
O natural ou habitante de Vila de Rei denomina-se vila-regense.
Possui um clima mediterrânico, com influências continentais, sendo os verões bastante quentes, com temperaturas que rondam os 30 °C e os invernos consideravelmente frios, registando-se uma elevada amplitude térmica anual.
Dos recursos hídricos o de maior importância é o rio Zêzere, que nasce na serra da Estrela e é considerado o segundo maior rio que nasce em território português (200 km de percurso).
O edificado estende-se por uma área de relevo bastante acidentado, sendo de referenciar a serra da Melriça, com 593 m de altitude, onde se encontra o picoto que marca o centro geodésico de Portugal.
História e Monumentos
O território do concelho começou a ser povoado nos primeiros séculos após a fundação da nacionalidade, muito provavelmente ainda no século XII.
A designação tem sido relacionada com o foral que lhe foi concedido por D. Dinis. Contudo, parece que já na altura teria a designação atual, sendo proválvel a existência de uma povoação já nos inícios da nacionalidade, a qual seria Villa de Rei.
Foi-lhe outorgado foral a 19 de setembro de 1285, por D. Dinis, e em 1513 recebeu novo foral por D. Manuel.
No século XIV, a Ordem dos Templários e a Ordem de Cristo povoaram, defenderam e desenvolveram o território.
Segundo o arrolamento paroquial efetuado entre 1320-1321 em todo o país, Vila de Rei era proprietária de uma igreja de grande peso económico.
Entre 1895 e 1898, o concelho foi extinto, na sequência de uma reforma administrativa, mas viria a ser restaurado na sequência de uma contrarreforma.
No início do século XIX, o desenvolvimento do concelho foi lento, motivado pelo isolamento da sua localização geográfica e pela destruição causada pelas Invasões Francesas, de modo que, até finais dos anos 80 do século XX, se deu um decréscimo da população, devido ao progressivo envelhecimento e à corrente emigratória.
Em 1986 deu-se um grande incêndio florestal que contribuiu em muito para o abandono do concelho, dado que uma considerável percentagem da sua população vivia dos produtos florestais ou trabalhava em serrações, na extração de resinas e atividades afins.
A nível do património arquitetónico, destacam-se as pegadas humanas localizadas entre os lugares de Ribeiros e Amêndoa, um caminho de quartzite, que possui pegadas humanas impressas quando a rocha não teria ainda endurecido, a igreja paroquial que, pela importância que tinha ainda no século XVIII, foi doada, em 1744, ao infante D. Pedro, como grão-prior do Crato, e a Capela da Misericórdia.
Tradições, Lendas e Curiosidades
São diversas as manifestações populares e culturais do concelho, sendo de destacar: a festa de S. Martinho; a festa de Santa Margarida, no quarto domingo de agosto; a festa da Associação, em julho; a de S. João, no terceiro domingo de agosto; e a festa do Coração de Jesus, em junho.
No artesanato, são típicas as peças de tecelagem, de ferraria, de cestaria de vime e calçado.
Como curiosidade, de referir que ainda antes de D. Dinis ter atribuído foral a Vila de Rei a população já teria esta designação, iniciando a existência de uma villa agrária povoada nos inícios da nacionalidade, denominada Villa de Rei.
Economia
No concelho predomina o setor terciário (cerca de 50% do total de empresas sediadas no concelho). Este setor é o de maior importância na vila e sede do concelho.
O setor secundário abrange 37,8% do total das empresas sediadas no concelho. As indústrias de maior importância são as de transformação de madeiras, carpintaria, serralharia civil e de carnes.
O setor primário, apesar de ser o de menor importância no concelho, apresenta uma importância significativa a nível distrital e nacional.
A atividade agrícola estende-se por uma área de 694 ha, sendo as principais culturas o olival, a horta familiar, os prados temporários, culturas forrageiras, vinha e cereais para grão.
Na pecuária, destaca-se a criação de aves, nomeadamente galinhas poedeiras e reprodutoras, de caprinos e de suínos.
Uma das principais espécies florestais é o pinheiro.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Vila de Rei na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-28 20:06:20]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais