Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Vincent Minnelli

Realizador norte-americano, Lester Anthony Minnelli nasceu a 28 de fevereiro de 1903, em Chicago, e morreu a 25 de julho de 1986. Filho de uma família de músicos ambulantes, entrou para o mundo do teatro como diretor artístico da Broadway e, em 1933, chegou a diretor da Radio City Music Hall. Depois de dirigir várias peças musicais, foi convidado pelos estúdios da Metro-Goldwyn-Mayer para ser assistente de realização. Estreou-se como realizador com Cabin In The Sky (Um Lugar no Céu, 1943), um musical feito inteiramente com atores negros. De seguida, assinou uma obra mais ambiciosa: Meet Me In St.Louis (Não Há Como a Nossa Casa, 1944), um musical protagonizado por Judy Garland, com quem viria a casar-se no ano seguinte. Voltou a dirigir a sua esposa em The Clock (A Hora da Saudade, 1945), uma história de amor. Em 1946, nasceu a única filha do casal: Liza Minnelli, que se tornou famosa como atriz. Em 1949 realizou o drama Madame Bovary, baseado na obra com o mesmo nome (considerada um clássico da literatura) do escritor Gustave Flaubert. Minnelli continuou a dirigir musicais: The Father Of The Bride (O Pai da Noiva, 1950) e a sequela Father's Little Dividend (O Pai é Avô, 1951), com Spencer Tracy e uma jovem de nome Elizabeth Taylor, o clássico An American In Paris (Um Americano em Paris, 1951), com Gene Kelly, e The Band Wagon (A Roda da Fortuna, 1953, com Fred Astaire. Interrompeu a senda de musicais para filmar o drama The Bad and The Beautiful (Cativos do Mal, 1952), com Lana Turner e Kirk Douglas, uma crítica à política dos estúdios de Hollywood premiada com 5 Óscares. Em 1956, filmou a biografia do pintor Vincent Van Gogh em Lust For Life (A Vida Apaixonada de Van Gogh), novamente com Kirk Douglas e Anthony Quinn como Gaugin. Estava demonstrada a versatilidade de Minnelli em relação ao tratamento dos diversos géneros cinematográficos, mas foi num feliz regresso aos musicais, com Gigi (1958), que o realizador recebeu o único Óscar da sua carreira. A partir daí, abraçou o género melodramático: Some Came Running (Deus Sabe Quanto Amei, 1959) com Frank Sinatra, Dean Martin e Shirley MacLaine, The Four Horsemen Of The Apocalipse (Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, 1962) com Glenn Ford e Charles Boyer, e The Sandpiper (Adeus, Ilusões, 1965) em que dirigiu o casal Richard Burton e Elizabeth Taylor. Dirigiu a filha Liza Minnelli, Ingrid Bergman e Charles Boyer em A Matter Of Time (1976), mas o filme foi um fracasso comercial, tendo o realizador culpabilizado os produtores e os editores pelo sucedido. Foi o último filme de um Minnelli desiludido.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Vincent Minnelli na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 02:48:59]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais