Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

violência

A palavra violência provém do latim violentia, que significa "abuso de força".
Para os antigos gregos, a violência é hybris, ou seja, abuso de poder, profanação da Natureza, bem como transgressão das leis sagradas.
Na verdade, na Natureza nada é independente do seu contexto, o mesmo fenómeno natural (chuva torrencial, tempestade, etc.) pode ser considerado devastador numa altura e benéfico noutra. Os mesmos atos podem ter significados opostos segundo as situações em que se encontram e as intenções dos intervenientes. As manifestações de violência são muito dispersas e paradoxais, para serem significativas por si próprias. Apenas ao colocar uma interrogação sobre os motivos da violência, pode existir uma orientação no sentido que constituiu a sua essência.
Aristóteles, filósofo grego que vê a violência como uma alteração negativa que vem do exterior
Pode-se designar por violência qualquer ato ou movimento que é forçado ao movimento natural.
Para Aristóteles, violência é tudo o que vem do exterior e que se opõe ao movimento interior de uma natureza. Ela é uma qualquer alteração negativa que força algo contra a sua vontade.
A violência perante o Homem é toda a imposição física ou coação física que o obriga a cumprir uma ação não desejada.
Para Hegel, a violência é o próprio começo das relações entre os homens e é uma situação que esteve sempre presente na sua história.
Para Freud, por exemplo, o Homem é violento por natureza. Ele é fundamentalmente agressivo e até cruel.
Para René Girard, pelo contrário, a violência no Homem não é instintiva, mas intersubjetiva e social, onde a sociedade a pode manter e até justificá-la.
Outros filósofos, como Hegel, Marx e Nietzsche, dizem que a violência é fecunda no Homem.
Com Marx e Engels, encontra-se uma verdadeira apologia da contraviolência revolucionária, suscetível de abolir a violência original da apropriação das riquezas.
Nietzsche, no fundo, defende menos a violência do que a luta, o conflito ou o combate. E aí recupera a violência de uma certa forma, como meio de combater as injustiças.
Existe assim contradições entre os seres humanos que geram conflitos e confrontos. Por isso, qualquer sociedade que rejeite a hostilidade ou interdite qualquer conflito, e que conceba o laço social exclusivamente na amizade e concórdia, confluirá na violência.
Paul Ricoeur defende uma dimensão conflitual, numa visão pluralista de qualquer comunidade humana.
Mas na verdade, a violência pura não pode ser legitimada pela filosofia, já que o pensamento é pela sua natureza a negação da violência, pela sua escolha da reflexão e do diálogo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – violência na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 07:53:45]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros