Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Wagner Tiso

Compositor, maestro e produtor brasileiro, Wagner Tiso Veiga nasceu no dia 12 de dezembro de 1945, em Três Pontas, no estado de Minas Gerais, no Brasil. Com formação musical desde tenra idade, viria a aprender teoria musical com Paulo Moura, especializando-se em instrumentos de teclas. Em 1964, fez parte do agrupamento Sambacana. A experiência durou dois anos e, depois disso, o jovem músico voltaria a trabalhar com Paulo Moura. Nessa fase, acompanharia diversos artistas da elite da música brasileira, casos de Cauby Peixoto, Ivon Cury, Maysa e Marcos Valle. Em 1969, integra a banda Som Imaginário, coletivo de suporte musical dos concertos de Milton Nascimento. A parceria com Milton marcaria as carreiras de ambos durante alguns anos, mormente no conjunto Luar de Prata, que ambos integraram durante alguns anos. A crescente mediatização do seu percurso no Brasil, onde era reconhecido como um executante de técnica superior, seria acompanhada pela curiosidade além-fronteiras. Os convites para participar em certames internacionais sucederam-se, merecendo destaque as apresentações, em nome próprio, em Atenas e Montreux. Além desses concertos, Wagner Tiso não deixou de acompanhar outros músicos, casos do inevitável Milton Nascimento, mas também de Flora Purim, Airto Moreira (ambos já célebres no universo americano) e Ron Carter. Nas décadas de 70 e 80, além de manter um ritmo elevado de atuações públicas, o compositor emprestaria o seu talento a vários trilhos sonoros para filmes brasileiros, séries televisivas e documentários. Essa tornar-se-ia, de resto, uma das suas atividades mais prolíficas, consolidando o estatuto de compositor, em detrimento da assinatura de músico de palco. Em paralelo, o músico fez arranjos para inúmeros discos de outros artistas, como Gonzaguinha, Paulo Moura, Johnny Alf e Milton Nascimento. Em 1978, o maestro gravaria o primeiro disco a solo.
Nos anos seguintes, tornando-se um dos compositores mais respeitados da música brasileira, manteve a tónica no cruzamento entre substâncias da música erudita e a feição mais popular das sonoridades brasileiras. Atuando ao vivo nos principais palcos da música mundial, comemoraria os 60 anos de idade com um magnífico espetáculo de artes performativas, com a sua música e contando com as participações de Milton Nascimento, Gal Costa, Cauby Peixoto, Paulo Moura, Uakti, Toninho Horta, a Orquestra Sinfónica Petrobras, entre muitos outros. O espetáculo seria registado em CD e em DVD, no ano seguinte.
Discografia
1969, Os Deuses e os Mortos (Banda Sonora)
1970, Som Imaginário
1971, Som Imaginário
1973, Matança do Porco (c/ o agrupamento Som Imaginário)
1977, Lyra dos Deuses (Banda Sonora)
1978, Wagner Tiso
1979, Assim Seja
1980, Trem Mineiro
1980, Poema Sujo (Banda Sonora)
1981, Inocência (Banda Sonora)
1981, Toca Brasil - Arraial das Candongas
1982, Wagner Tiso - Ao Vivo na Europa
1983, Todas as Teclas
1985, Coração de Estudante
1985, Os Pássaros
1986, Branco & Preto/Preto & Branco
1986, Chico Rei (Banda Sonora)
1987, A Floresta do Amazonas - Villa Lobos
1988, O Grande Mentecapto (Banda Sonora)
1988, Manú Caruê - Uma Aventura Holística
1988, Coração Imprevisto (c/ Eugénia Mello e Castro)
1989, Cine Brasil
1989, Só Louco
1990, Baobab
1992, Wagner Tiso - Profissão: Música
1993, O Livro de Jó - Trem Mineiro
1995, O Guarani (Banda Sonora)
1995, Wagner Tiso Ao Vivo com Rio Cello Ensemble
1995, Wagner Tiso e Orquestra de Cordas Brasileira - Brasil Musical
1996, Wagner Tiso e Paulo Moura - Brasil Musical
1996, Brazilian Scenes
1997, A Ostra e o Vento (Banda Sonora)
1999, Debussy e Fauré Encontram Milton e Tiso
2000, Tom Jobim Villa-Lobos
2002, Memorial (com Zé Renato)
2003, Tocar
2004, Cenas Brasileiras
2006, Um Som Imaginário
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Wagner Tiso na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 01:42:19]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais