Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Wiel Arets

Arquiteto holandês, Wiel Arets nasceu em 1955, em Heerlen. Graduado em Arquitetura pela Universidade Técnica de Eindhoven (1983) e Unit Master na AA - Architectural Association, Londres (1992). No período 1984-1989, efetuou viagens pela América e Europa em geral, e em particular na Rússia e Japão.
Leciona desde 1986, diversos cursos de Arquitetura, quer na Holanda quer nos Estados Unidos, Áustria e Dinamarca. Entre 1992-1994 foi professor convidado no Instituto Berlage, escola de pós-graduação em Arquitetura, Amesterdão, do qual se torna reitor em 1995.
Recebe inúmeros prémios de arquitetura, em particular pela Academia de Arte e Arquitetura de Maastricht (1989-1993), bem como uma menção especial no Prémio Mies van der Rohe, em 1994.
Estabelece em Heerlen (1994) o seu gabinete de arquitetura. Para além da obra já referida, destaque ainda para 67 apartamentos em Tilburg (1992-1994); a sede da Caixa de Pensões AZL, Heerlen (1990-1995); escritórios Céramique, Maastricht (1990-1995); e a esquadra de polícia de Boxtel (1994-1997), entre outras, igualmente na Holanda. De certa forma contrastando com estas obras institucionais ou de âmbito coletivo, edificou a Casa Lohmann, Colónia, Alemanha (1995) e a Casa-estúdio Arets / Sijstermans, Maastricht (1996-1997).
Teórico influente no sempre presente debate de ideias nos Países Baixos desde o início do século XX, com a Escola de Amesterdão e o movimento De Stijl, mantém uma postura crítica face à emergente arquitetura dos anos 90, às solicitações e seduções da prática profissional e teoricamente abrangente (referências à literatura, cinema, artes e filosofia).
Defende o poder interventivo e operativo do projeto de arquitetura na transformação e gestão da cidade entendida como um organismo em mutação. Debruça-se igualmente acerca do processo em sentido inverso, isto é, o reequacionamento de programas, as alterações metodológicas provocadas pelo computador, defendendo a tendência para a transformação da arquitetura em meio de comunicação, ao ponto da sua própria desmaterialização (apostando na clareza e simplicidade volumétrica, eficácia e rigor construtivo).
No dealbar do século XXI, afirma que nos encontramos no limite de uma nova era.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Wiel Arets na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-01 15:07:52]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais