MOMENTOS WOOK - 20% de desconto em todos os livros

Morro da Pena Ventosa

Rui Couceiro

Pedra e Sombra

Burhan Sönmez

Geração D

Carlos de Matos Gomes

1 min

Eyvind Johnson
favoritos

Escritor sueco, Eyvind Johnson nasceu a 29 de julho de 1900 em Svartbjörsbyn, uma localidade da província de Norrbotten, no Norte do país, e morreu a 25 de agosto de 1976, em Estocolmo.

O pai, obreiro ao serviço da construção do caminho de ferro da Lapónia, contraiu silicose à força de tanto partir pedra, pelo que a mãe o deixou aos cuidados de uns tios, que o criaram.

Abandonando a escola aos treze anos de idade, Eyvind Johnson passou por diversos trabalhos, entre os quais o de lenhador, serrador, lavador de locomotivas, bilheteiro de cinema, projecionista, aprendiz de canalizador e de eletricista.

Em 1919 conseguiu quem lhe emprestasse dinheiro e partiu para Estocolmo, onde passou a trabalhar como operário até que, em 1920, uma greve o fez pensar em ganhar a vida como escritor.
Ligou-se por algum tempo ao Socialismo e participou na fundação da revista Vår Nutid.

Em 1921 viajou até à Alemanha, passando por Paris e ganhando o seu sustento a laborar em hotelaria e a escrever para os jornais suecos.
Publicou o seu primeiro livro em 1924, uma compilação de contos intitulada De Fyra Främlingarna. Seguiram-se Timans Och Rättfärdigheten (1925), Stad I Mörker (1927) e Stad I Ljus (1928).
Regressando à Suécia em 1930, onde começou a escrever uma série de cariz autobiográfico, composta por cinco volumes, e que conta as andanças de Mårten Topare. Destacam-se entre eles Avsked Till Hamlet (1930), Regn I Gryningen (1933, Chuva na Madrugada) e Nattövning (1938).

Em 1932 publicou Bobinack e entre 1934 e 1937 surgiu um épico em quatro volumes, que se tornou num clássico da literatura sueca, intitulado Roman Om Olof, baseado nas experiências do autor enquanto lenhador.

Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, Johnson desempenhou um papel crucial ao serviço da Resistência Norueguesa, coeditando com Willy Brandt a publicação desse organismo, o Et Handslåg. Escreveu nessa altura uma trilogia de nome Krilon (1941-1945), em que condena a neutralidade sueca.

Em 1946 procedeu a um balanço da guerra com Strändernas Svall (Regresso a Ítaca).
Eleito membro da Real Academia Sueca em 1957, Eyvind Johnson foi galardoado em 1974 com o célebre Prémio Nobel da Literatura, atribuído por aquela instituição.

Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Eyvind Johnson na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-07-21 17:47:01]. Disponível em

Morro da Pena Ventosa

Rui Couceiro

Pedra e Sombra

Burhan Sönmez

Geração D

Carlos de Matos Gomes