Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

O Livro de San Michele

Axel Munthe

Peregrinação

Fernão Mendes Pinto

1 min

Fim do Cativeiro dos Hebreus
favoritos

Nabucodonosor, rei da Babilónia, que saíra vitorioso nas lutas contra os Egípcios, exigia que os hebreus pagassem tributo ao império.
Estes pagavam tributo aos egípcios e agora Nabucodonosor constrangia o rei Joaquim a entregá-lo aos babilónios (604 a. C.).
Joaquim revolta-se contra esta obrigação e Nabucodonosor toma Jerusalém, deportando aquele e os habitantes da cidade para a Babilónia em 597 a. C. Através da interferência do rei invasor sucedeu a Joaquim o seu tio Zedequias, pertencente a uma fação favorável à política babilónica durante o período que decorreu de 597 a 586 a. C. No entanto, os seus sentimentos nacionalistas tornaram-se cada vez mais visíveis e, apesar de ter sido escolhido e entronizado por Nabucodonosor, Zedequias em breve se revoltaria.

Este ato provocou a violenta reação do rei da Babilónia resultando no saque de Jerusalém e na destruição do seu templo (587 a. C.). Para além desta ação bárbara, foi decretada a deportação dos seus habitantes, que a partir daquele momento viveram exilados na Babilónia, fazendo cumprir a profecia de Jeremias, pois o reino de Judá deixava de existir. O rei esperava que a população desenraizada da sua pátria e a habitar outro lugar desistisse de voltar a reivindicar a independência. Sabe-se, no entanto, que os deportados eram bem tratados.

Representação de hebreus a fabricar tijolos (pintura egípcia)
A deportação para a Babilónia durou de 586 a 538 a. C. e durante este período muitos dos judeus morreram ou foram reduzidos à escravatura.
Beneficiavam de uma certa autonomia pois eram administrados pelos anciãos; podiam adquirir terras e dedicar-se a atividades comerciais, mas toda a esperança de regressar a Jerusalém parecia irremediavelmente perdida. No entanto, Ciro, rei da Pérsia, apoderou-se da Babilónia em 538 a. C., o que proporcionaria aos Hebreus o regresso à sua terra e a possibilidade de reconstruírem o seu templo. A primeira caravana formou-se em 537 a. C. e muitas outras se seguiram sob o comando de Josué e Zorobabel.
Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Fim do Cativeiro dos Hebreus na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-03-05 03:04:56]. Disponível em
Partilhar
  • partilhar whatsapp
Como referenciar
Porto Editora – Fim do Cativeiro dos Hebreus na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2024-03-05 03:04:56]. Disponível em

Deus na escuridão

Valter Hugo Mãe

O Livro de San Michele

Axel Munthe

Peregrinação

Fernão Mendes Pinto