A Arte da Fuga

Tendo como protagonista uma espécie de anti-herói, Frederico, o romance usa como caixa de ressonância a memória, numa fuga através da infância, dos lugares, de origem ou do exílio, numa sucessão de encontros e desencontros consigo, com a mulher amada, com o país, compassados, ao nível da estruturação dos capítulos, das suas subpartes e da frase, pela música de Bach.
Como referenciar: Porto Editora – A Arte da Fuga na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-26 14:23:57]. Disponível em