A Caixa. Peça em Dois Atos

Peça que recebeu o primeiro prémio no concurso de Peças de Teatro Inéditas, promovido, em 1980, pela Secretaria de Estado da Cultura. No prefácio, Luzia Maria Martins assinala a tentativa levada a cabo por Prista Monteiro de, com esta peça, procurar, ao nível da forma e do conteúdo, "novos caminhos" para a sua obra. Tendo como alvo a caixa de esmolas de um cego, a peça recria os jogos cruéis de inveja e ódio que os moradores de uma calçada miserável desenvolvem na disputa pela caixa, deixando passar para primeiro plano a linguagem baixa, cheia de gíria, de síncopes e de musicalidade das personagens, bem como um fundo musical que confere a esta obra as características de uma opereta popular.
Como referenciar: A Caixa. Peça em Dois Atos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-04 09:43:15]. Disponível na Internet: