A Divorciada

Romance de José Augusto Vieira, publicado em 1881, que retoma de certa forma a tese de Os Noivos, de Teixeira de Queirós, no que diz respeito ao descalabro das relações conjugais baseadas em pressupostos errados, e de O Primo Basílio, de Eça de Queirós, no que concerna às razões conducentes ao adultério, como os defeitos da educação feminina romântica e a ociosidade. Com a personagem de Ermelinda, a divorciada de Alberto, adúltero reincidente, inibida pela lei de refazer a sua vida e ostracizada pela sociedade preconceituosa, forçada pela pobreza a juntar-se a um homem rico, o autor pretende denunciar a situação ambígua da mulher divorciada e as consequências morais perniciosas que daí podem advir. O romance constitui uma aplicação ortodoxa da estética naturalista, nomeadamente quanto ao estilo objetivo, quase fotográfico, do narrador, que privilegia a reprodução direta dos diálogos e pensamentos das personagens.
Como referenciar: A Divorciada in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-14 12:19:14]. Disponível na Internet: