Abadia de Westminster

Abadia beneditina londrina fundada em 960 por S. Dunstan. No século XI Eduardo, "o Confessor" restaura a abadia e constrói um palácio ao seu lado. Ali fica sepultado acabando as instalações abaciais por se tornarem no panteão real, pelo que guarda um grande espólio de túmulos góticos e renascentistas. Em 1245, Henrique III remodela a igreja ao gosto do gótico de influência francesa, com deambulatório e capelas radiantes. A nave apresenta uma verticalidade impressiva, reforçada pela utilização do mármore negro de Purbeck nos pilares. Em 1503, Henrique VIII ergue a capela que ficou conhecida pelo seu nome, onde se destacam o uso do mármore negro e as abóbadas de combados extremamente decorativas. A ala ocidental da igreja só foi terminada em 1745, sob a supervisão de Nicholas Hawksmoror, construindo-se então as torres em estilo normando. Do edifício primitivo resta apenas o claustro e a sala do capítulo. O coro alberga o Trono da Coroação que contém a pedra de Scone, roubada aos escoceses em 1296.
Com o Palácio de Westminster e a Igreja de Santa Margarida, compõe uma área londrina classificada Património Mundial pela UNESCO.
Como referenciar: Porto Editora – Abadia de Westminster na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-26 01:11:16]. Disponível em