acontecimento (sociologia)

1. Segundo J. Ladrière, é da própria natureza do acontecimento que ele surja no mundo como contingente, imprevisível e irrepetível. O acontecimento é uma ocorrência empírica particular, tem consequências que lhe são próprias e inaugura uma situação nova, introduzindo no mundo um novo estado de coisas. Ladrière considera, por isso, que a noção de acontecimento remete para a noção de emergência. O acontecimento é, ao mesmo tempo, irrupção e transição, contendo a continuidade e a descontinuidade, a semelhança e a diferença.
Entidade temporal por excelência, o acontecimento situa-se entre o "antes" e o "depois", em função dos quais ganha o seu próprio sentido. Como bem observa Koselleck (1990, Le Futur Passé. Paris: EHESS): "É preciso um mínimo de antes e de depois para constituir a unidade de sentido que faz de qualquer coisa que se passa um acontecimento". A par da determinação temporal, o acontecimento que irrompe no mundo social é determinado pelas suas consequências. São, na maioria das vezes, as consequências dos acontecimentos (seja ele um terramoto, um acidente numa central nuclear, uma greve geral, um atentado, uma guerra...) que determinam o significado e o valor simbólico que lhes é atribuído pela comunidade na qual ele aconteceu. O acontecimento humano e social pode ser entendido como "uma realidade simbólica" (1986, MOLINO, J. - "L'événement: de la sociologie à la sémiologie". In L'événement. Actes du Colloque du Centre Méridional d'Histoire Sociale: Aix-en-Provence: Publications de l'Université de Provence. 251-270) na medida em que lhe é atribuído um valor que depende da cultura.
Dada a importância das consequências e dos antecedentes do acontecimento humano para a sua compreensão, a linguagem causal é correntemente utilizada para explicar o que aconteceu. Considera-se, por exemplo, que o assassínio do arquiduque Fernando da Áustria em Sarajevo, em julho de 1914, foi a causa da Primeira Grande Guerra. Inscrito numa textura causal, o acontecimento vê a sua contingência reduzida na medida em que uma ou várias causas o explicam. Simultaneamente é-lhe atribuído um sentido ou um valor de "normalidade". A par da conexão causal, o acontecimento é também "normalizado" numa intriga. Para os narrativistas (Louis O. Mink, Paul Veyne, Hayden White, Paul Ricœur), os acontecimentos enquadram-se em narrativas, que lhes garantem o sentido (ou seja, as suas significações histórica e social). Como observa Ricœur, "os acontecimentos são construídos ao mesmo tempo que as narrativas que os enquadram".
O sentido do acontecimento é, deste modo, atribuído pelo ponto de vista sob o qual ele é narrado e pela intriga de que ele faz parte. Ora, a intriga dá-nos o acontecimento sobretudo a partir dos seus efeitos ou da sua maneira de acabar.
Na verdade, os acontecimentos públicos - e muito especialmente os acontecimentos políticos - encontram-se, a maioria das vezes, encaixados em intrigas, existem por relação a observadores e o seu sentido depende, em grande parte, das suas consequências.
2. A singularidade do acontecimento é um objeto de estudo preferencial da História. No entanto, o acontecimento está hoje presente nas Ciências Sociais, constituindo objeto de estudo da Sociologia e, particularmente, da sociologia da comunicação. O acontecimento humano, que afeta determinadas pessoas ou grupos e faz parte da nossa vida social, marca profundamente a sociedade em que vivemos e a nossa contemporaneidade. Como considera Pierre Nora (1974, "Le retour de l'événement". In LE Goff, Jacques; NORA, Pierre (dir.). Faire de l'histoire. Paris: Gallimard), nas sociedades democráticas modernas há uma pluralidade de acontecimentos que irrompem na cena pública e que, graças aos meios de comunicação social, são de imediato objeto da atenção do público: "é próprio do acontecimento moderno desenrolar-se numa cena imediatamente pública". É por isso que Nora fala do "retorno do acontecimento", ao qual não é estranha a sua exposição pública nos meios de comunicação.
Os acontecimentos tornam-se os objetos preferidos dos meios de comunicação, marcando a nossa atualidade. Há como que uma "acontecimentalidade" nova nas sociedades modernas, ligada precisamente à proliferação dos acontecimentos nos meios de comunicação social.
Como referenciar: acontecimento (sociologia) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-25 20:33:56]. Disponível na Internet: