Afonso de Albuquerque

Militar português, nascido em Alhandra por volta de 1462, de família aristocrática, educado na corte de D. Afonso V. Em 1476 acompanhou o futuro rei D. João II nas guerras com Castela, esteve em Arzila e Larache em 1489, e em 1490 faz parte da guarda de D. João II, tendo voltado novamente a Arzila em 1495.

Em 1503 é enviado à Índia, no comando de três naus, onde participou em várias batalhas, ergueu a fortaleza de Cochim e estabeleceu relações comerciais com Coulão. Regressou a Portugal em 1504, onde expôs a D. Manuel I a sua visão de um império no Oriente, tendo por base a conquista de posições estratégicas nos mares do Índico.

Tendo sido aceite o seu plano, seguiu para a Índia em 1506 como capitão-mor do mar da Arábia. Conquistou Omã e submeteu Ormuz (1507). Nomeado por D. Manuel governador da Índia em 1508, veio a ocupar o cargo no ano seguinte.

Já como vice-rei da Índia, em substituição de D. Francisco de Almeida, conquistou Goa (1510) e Malaca (1511) e entrou no Mar Vermelho em 1513.

Com a construção da fortaleza de Ormuz em 1515 concluiu o seu plano de domínio dos pontos estratégicos que permitiam o controle marítimo e o monopólio comercial da Índia. Ao mesmo tempo, seguiu uma política de miscigenação, favorecendo o casamento das indianas com soldados e marinheiros portugueses, que depois ficavam a servir na administração.

Afonso de Albuquerque foi um grande marinheiro e estratega militar, cuja grande capacidade como diplomata foi fundamental na criação das bases do Império Português no Oriente. Faleceu no ano de 1515.
Como referenciar: Afonso de Albuquerque in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-01-27 17:20:01]. Disponível na Internet: