Afonso VI de Leão

Afonso VI, o Bravo, foi rei de Leão (1065-1109), de Castela (1072-1109) e da Galiza (1073-1109). Filho e sucessor de Fernando Magno, reuniu os vários territórios que seu pai havia repartido pelos cinco filhos e fez-se aclamar em Burgos, pondo assim termo aos conflitos entre leoneses e castelhanos pela hegemonia do centro peninsular. Alargou o domínio cristão na Península Ibérica, com auxílio de Cid, impondo-se junto de vários reinos Taifas do Al-Andaluz. Devido à superioridade alcançada sobre os príncipes cristãos e muçulmanos, intitula-se, desde 1077, Imperator Totius Hispaniæ ("Imperador de Todas as Espanhas"). Conquistou o reino de Toledo (1085), onde estabeleceu a sua corte. Em 1078 substituiu a liturgia moçárabe, ou visigótica, pela romana. Foi derrotado pelos Almorávidas, comandados por Yusuf, em Zalaca (Sagrajas), perto de Badajoz (1086), e em Uclés (1108). Em 1096 entregou a seu genro, Henrique de Borgonha, o Condado Portucalense. Faleceu em Toledo a 30 de outubro de 1109. À sua morte o trono foi herdado por sua filha, D. Urraca, esposa do Conde Raimundo de Borgonha.
Como referenciar: Afonso VI de Leão in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-14 18:54:25]. Disponível na Internet: