algarismo

Os símbolos numéricos hindus (também designados hindu-árabes ou árabes, embora indevidamente uma vez que é reconhecido que não tiveram origem na Arábia) 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 0 foram introduzidos na Europa pelos árabes. Um dos grandes contributos para o conhecimento dessa simbologia foi dado pelo livro Al-Kitab al muhtasar fy hisab al-jabr w'al muqabalah (Livro breve para o cálculo da jabr e da muqubalah).
Aliás, "algarismo" tem mesmo origem no nome do matemático que escreveu a referida obra Muhammad ibn Musa "al-Khwarizmi".
Noutras civilizações apareceram também símbolos numéricos próprios, como são os casos, entre outros, das civilizações egípcia (com os hieróglifos), grega (usando as letras do alfabeto), babilónica (com os símbolos cuneiformes) e romana (os símbolos romanos ainda hoje são utilizados em algumas situações específicas, nomeadamente na escrita de algumas datas não por terem qualquer mérito particular em comparação com os outros sistemas mas antes pela larga e relativamente recente influência que a civilização romana exerceu sobre os povos e regiões que ocupou). Na Europa, o primeiro erudito que se tem conhecimento de que tenha utilizado os símbolos hindu-árabes foi Gerbert (que mais tarde viria a tornar-se no papa Silvestre II), que estudou e ensinou em Espanha em finais do século X.
De notar que durante muito tempo não se considerou o zero como número pelo que não existia símbolo para o representar. Aliás, a conceção do zero como número representou uma enorme evolução do conhecimento. Por um lado, tornou mais fácil e ampla a execução de cálculos numéricos e, por outro, marcou uma nova perspetiva no raciocínio lógico do Homem, uma vez que nasceu de uma atitude contrária ao bom senso que consistiu em criar um símbolo para representar o nada.
Para além dos algarismos que nos permitem escrever números inteiros, os sistemas de numeração foram evoluindo até ao aparecimento, por exemplo, das frações ou da vírgula para separar a parte inteira de um número da sua parte decimal.
Como referenciar: algarismo in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-19 17:18:10]. Disponível na Internet: