Ambrose Gwinett Bierce

Escritor norte-americano, Ambrose Gwinett Bierce nasceu a 24 de junho de 1842, em Meigs County, no estado do Ohio. Cresceu numa quinta no Norte de Indiana, e dedicou muito do seu tempo à leitura na extensa biblioteca do seu pai.
Abandonou os seus estudos secundários ao fim de um ano, e assim, apenas com quinze anos de idade, começou a trabalhar como aprendiz de tipógrafo no The Northern Indian, jornal de ideologia anti-esclavagista. Depois de ter passado um período letivo numa academia militar, foi empregado de café e de loja.
Em 1861, ano em que deflagrou a Guerra de Secessão norte-americana, Bierce alistou-se no Exército da União, tendo servido como oficial até ao fim da guerra, em 1865. As experiências vividas e as muitas batalhas travadas como oficial topográfico no corpo do General William B. Hazen, revelaram-se como cruciais na sua carreira como escritor. Ferido numa têmpora na batalha de Kenesaw Mountain, rompeu o seu noivado com Bernie Wright ao regressar de licença.
Finda a guerra, Bierce estabeleceu-se em São Francisco, onde conseguiu emprego como vigilante nos cofres nacionais do estado e deu início a uma carreira como jornalista. Contribuiu para inúmeros jornais, entre os quais o Californian e o Overland Monthly. Em 1868 foi nomeado editor do News Letter.
Em 1871 publicou, no Overland Monthly, o seu primeiro conto, The Haunted Valley e, no ano seguinte, após ter casado com a filha de um mineiro abastado, permitiu-se viajar para Inglaterra, onde viveu de 1872 até 1875. Durante este período, não só contribuiu para as revistas Figaro e Fun, como publicou também três volumes de contos e epigramas, usando o pseudónimo Dod Grile, The Fiend's Delight (1872), Nuggets And Dust Panned Out In California (1872) e Cobwebs From An Empty Skull (1874).
Em 1877, passou a ser editor associado de um semanário de São Francisco, o Argonaut, tendo, nesse mesmo ano, publicado em parceria com Thomas A. Harcourth, e utilizando o pseudónimo William Herman, The Dance of Death (1877). No final dessa década, empreendeu uma expedição de prospeção de minério no Dakota, mas o insucesso fez com que retornasse a São Francisco, tornando-se colaborador, primeiro do Wasp, logo do Examiner, onde começou uma longa carreira como colunista. Em 1891 publicou Tales Of Soldiers And Civilians, que incluía o seu mais reputado conto An Occurence At Owl Creek Bridge.
No ano de 1896 mudou-se para a cidade de Washington, continuando, no entanto, a sua colaboração com o Examiner e escrevendo também para o New York Journal e para a revista Cosmopolitan. Nesta altura, atravessou uma crise conjugal e familiar. O seu filho Day, fugido de casa aos quinze anos, suicidou-se após ter assassinado um rival numa disputa por uma rapariga de dezasseis anos. O seu outro filho morreu de pneumonia com apenas vinte e seis anos. Bierce recorreu ao consumo excessivo de álcool como lenitivo. Divorciou-se em 1904 e cortou definitivamente relações com a família.
Em 1906, recolheu os seus epigramas e aforismos sardónicos e cruéis em The Cynic's Word Book que, revistos e acrescentados, se tornariam em The Devil's Dictionary (1911), talvez a obra que mais o caracterizou como humorista negro e sardónico.
Em 1913, retirou-se da escrita, com setenta e um ano, e partiu para o México em busca da bondade humana. Desapareceu misteriosamente durante a Revolução Mexicana, presumindo-se que tenha sido morto no cerco de Ojinega a 11 de janeiro de 1914.
Como referenciar: Porto Editora – Ambrose Gwinett Bierce na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-19 15:41:41]. Disponível em